Boletim Letras 360º #305


Neste dia 11 de janeiro realizamos o primeiro sorteio de 2019. E anunciamos que o próximo, agora aberto a todos que acompanham o blog, terá como brinde a nova edição de Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa. Fica conosco! O ano está apenas no começo.

Guimarães Rosa e a travessia para os sertões. Nova edição de Grande sertão: veredas sai em fevereiro.
Mais detalhes ao longo deste Boletim.


Segunda-feira, 07/01

>>> Brasil: Inéditos de Mário de Andrade

A descoberta é de Marina Damasceno de Sá. Em seu doutorado, ela mergulhou nos manuscritos de Mário de Andrade reunidos no Instituto de Estudos Brasileiros e encontrou o fichário no qual o escritor detalha o plano para um livro que queria ser um estudo crítico sobre a poesia no Brasil até os parnasianos – sugestão apontada por Manuel Bandeira numa das cartas de 1925 ao autor de Macunaíma. No pequeno papel cartão, já amarelado pelo tempo, a caligrafia miúda do escritor revela os textos que iriam compor o livro nunca realizado. "A Poetagem Bonita = reunir em volume as críticas que tenho publicado sobre Manuel Bandeira, Gui, Oswald, Ronald, Menotti, Sérgio Milliet, Cendrars, a página em que explico o poema do Lonsago Cáqui que saiu em Klaxon, a sátira a Martins Fontes, a sátira a Hermes Fontes. Tudo com pequenas modificações...". Coube à pesquisadora encontrar e estabelecer os textos que deveriam compor o livro. Entre eles, outro achado: três dos textos eram inéditos. No primeiro, sem título, dedicado a Oswald, Mário não economiza em elogios ao então amigo com quem viria a romper em 1929 e a quem aponta como o maior poeta já surgido no Brasil. Já os dois textos sobre Sérgio Milliet se dividem entre o elogio e a crítica. No primeiro, em que analisa Poemas análogos (1927), Mário diz ser o amigo o "mais fatal" dos poetas brasileiros. No segundo, "Poetas Menores", não esconde certa decepção com o romance Roberto, lançado em 1935. Ainda que esclareça que o adjetivo do título não faz referência ao valor artístico mas sim a uma "concepção de vida", Mário diz considerar a literatura de Milliet menor. "O que, por mais que a gente não queira, e reconhecendo toda a importância e valor do livro, é sempre uma censura." No total, o projeto de Poetagem Bonita reúne 23 textos, entre críticas, crônicas e impressões, divididos em duas partes. Na primeira, Mário marca a ruptura com os "passadistas", por meio do artigo Farauto, em que revida os ataques que o grupo ligado à revista Klaxon vinha sofrendo de publicações como o Jornal do Comércio, e com sátiras ao trabalho dos poetas Hermes e Martins Fontes. Na segunda parte, Mário se volta à análise dos modernistas e os "novos do Rio e de Minas", escritores reunidos em torno das revistas Verde e Festa.(via Estadão)

>>> Brasil: Edição comentada de A falência, de Júlia Lopes de Almeida

Uma das escritoras idealizadoras da Academia Brasileira de Letras e injustamente esquecida, imposta a não fazer parte do clã que só admitiria uma figura feminina com a eleição de Rachel de Queirós, a obra de Júlia Lopes de Almeida ganha importante reedição em várias casas editoriais em 2019. Uma delas é a publicação pela Editora da Unicamp de A falência. Lançado em 1901, esta obra destaca-se da produção literária de seu tempo. Em um cenário de romances amorosos, Júlia Lopes de Almeida narra com crueza o enredo de uma mulher adúltera em busca de realização, entremeado à derrocada de um exportador de café. Camila, de origem pobre e casada com Francisco Theodoro em virtude da comodidade que a riqueza do marido lhe traz, descobre a paixão tardiamente nos braços do doutor Gervásio. Francisco de nada desconfia, mas terá seu ideal de família perfeita abalado após um mau negócio que o leva à falência. A falência levou mais de quinze anos para ser produzido, tornando-se a obra-prima de Júlia Lopes de Almeida, uma das maiores escritoras da literatura brasileira. A edição agora publicada traz notas e introdução de Regina Zilberman.

Teça-feira, 08/01

>>> Brasil: Livro reúne inéditos de Euclides da Cunha

Além de Monteiro Lobato, 2019 é o ano do autor de Os sertões; enquanto a obra do primeiro cai em domínio público, a do segundo será homenageada durante o evento artístico-literário mais importante no Brasil, a Festa Literária Internacional de Paraty. A Editora da Unesp publica, organizado por Leopoldo M. Bernucci e Felipe Pereira Rissato o livro Ensaios e inéditos. Com o presente volume, que inaugura a série de inéditos em prosa de Euclides da Cunha, os leitores terão acesso a um número significativo de ensaios do autor, cuja produção se inicia em 1883, quando ele tinha apenas 17 anos, e termina em 1909, ano de sua morte. Trata-se de um total de 31 composições de Euclides que, em seu conjunto, reforçam a vertente ensaística de sua admirável escritura e que ficou consolidada definitivamente em Os sertões.

>>> Brasil: Livro em que o pensador italiano maneja escritos de Agostinho, Dante, Descartes e Rousseau, e até mesmo tratados arcanos sobre cabala e magia, além da história do estudo da linguagem

Filósofos, teólogos e místicos ocuparam-se, por pelo menos dois mil anos, com o pensamento de que em algum momento existiu uma linguagem que expressasse de forma perfeita e inequívoca a essência de todas as coisas e conceitos possíveis. E é essa utopia que o filósofo e escritor italiano Umberto Eco investiga em A buscada língua perfeita na cultura europeia, no rastro da tentativa de descobrir uma língua que fosse original, perfeita e única para toda a humanidade. Classificado pelo próprio autor não como um livro de linguística ou semiótica, mas, sim, pertencente à categoria de “história das ideias”, Eco, sem defender um monolinguismo ou um poliglotismo, trabalha numa espécie de inventário dessa busca da língua perfeita e de suas reverberações no campo das ideias. Para isso, parte da língua anterior ao episódio da Torre de Babel e passa pelo projeto da Ars magna de Raimundo Lúlio. Da Idade Média ao Iluminismo, essa questão também foi uma das obsessões do Século das Luzes: uma língua que poderia ser lida facilmente estaria relacionada à realidade de todos e, consequentemente, promoveria a busca da verdade. Umberto Eco ainda trafega pela hipótese indo-europeia, chegando às línguas internacionais auxiliares, como o esperanto, e demonstra a íntima relação existente entre língua e identidade. Eco apoia-se, ainda, nas palavras de Santo Agostinho, Dante, Descartes e Rousseau, e busca beber até em tratados arcanos sobre cabala e magia, além da história do estudo da linguagem e de suas origens. A edição é da Editora Unesp e a tradução de Antonio Angonese.

Quarta-feira, 09/01

>>> Brasil: Descoberto vídeo com cerimônia de sepultamento de João do Rio

O jornalista que documentou de maneira inédita o dia-a-dia da vida urbanoide carioca morreu em 23 de junho de 1921 e um registro do cortejo de seu funeral foi encontrado pelo pesquisador e restaurador Antonio Venancio. O enterro de João Rio esteve entre os mais frequentados do Brasil, com um público estimado de 100 mil pessoas. O trabalho de Venancio foi meio ao acaso: há cinco anos assistiu à cena durante uma mostra da Cinemateca Brasileira, em São Paulo, que incluía na programação a filmagem de uma corrida de cavalos no Jockey Clube de São Paulo; mais tarde "uma mulher me procurou e disse que tinha um filme de meu interesse. Nas mãos ela tinha a lata com o filme do enterro de João do Rio". O filme tem 13min de duração e exibe vários pontos do trajeto até o cemitério S João Batista. Entre as cenas, a da reunião de colegas de trabalho da redação do jornal A Pátria – o folhetim carioca criado por ele e que lhe custou ameaças de morte e ofensas pessoais de cunho racista, por ser negro, gordo e gay. Outra cena importante é a que mostra a presença de Ruy Barbosa. O material foi convertido pela produtora Afinal Filmes em filme digital 4K.

Quinta-feira, 10/01

>>> Brasil: A Companhia das Letras divulga a capa da nova edição de Grande sertão: veredas

A obra chega às livrarias no próximo dia 25 de fevereiro. Em e-mail exclusivo enviado aos leitores que assinaram para receber as Newsletters sobre a publicação de Grande sertão, saiu a explicação para este motivo construído a partir da peça "Manto da apresentação", do Bispo do Rosário: "para personalizar, a ideia foi substituir os nomes por personagens do Grande sertão, e assim foi", explica Alceu Chiesorin Nunes, autor do projeto. Publicado em 1956, Grande sertão: veredas, de João Guimarães Rosa, revolucionou a literatura brasileira e segue despertando o interesse de renovadas gerações de leitores em uma história de amor, sofrimento, violência e alegria.

Sexta-feira, 11/01

>>> Brasil: O novo livro de Roberto Saviano narra a ascensão de uma gangue na violenta Nápoles dos dias atuais

As “paranzas”, grupos de adolescentes que dividem seu tempo entre o Facebook e o video game e circulam com pistolas e AK-47s, aterrorizando os moradores e marcando território para seus chefes, ligados à máfia. Os meninos de Nápoles conta a história da ascensão de uma dessas paranzas e de seu líder, Nicolas Fiorillo, conhecido por amigos e inimigos como o Marajá. Seduzido pela perspectiva de imprimir seu nome na história, ele não medirá esforços para conquistar o bairro de Forcella ― sem levar em conta, porém, que ambição, dinheiro e poder acarretariam consequências inimagináveis. Com toda a vivacidade e a perspicácia que fizeram de Gomorra uma sensação mundial, o premiado escritor Roberto Saviano nos transporta para as violentas terras italianas neste romance de tirar o fôlego. "Saviano está de volta para contar a história de uma Nápoles brutal e agonizante", diz Elena Ferrante. A tradução de Solange Pinheiro sai pela Companhia das Letras.

>>> Brasil: O primeiro livro de Pedro Mairal sai ainda este ano no Brasil

Depois do sucesso de A Uruguaia, publicado em 2018, a Todavia trará mais um título do escritor argentino. Desta vez, seu romance de estreia, cujo título em português é Uma noite com Sabrina Love. Todas as noites em Curuguazú, um povoado da província de Entre Ríos, Daniel Montero celebra um ritual: assistir ao programa de televisão de Sabrina Love, a pornô-star mais popular do momento. Por isso, quando é sorteado para passar uma noite com ela sente-se com céu nas mãos. Sabrina o espera num hotel de Buenos Aires. Aos dezessete anos,Daniel empreende uma viagem que, além da grande cidade, o levará a descobrir muito mais do que havia imaginado. O romance ganhou o Prêmio Clarín em 1998, outorgado por um júri do qual participavam Adolfo Bioy Casares, Augusto Roa Bastos e Guillermo Cabrera Infante. O romance de estreia de Mairal também já foi adaptado para o cinema.


.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #315

Anatomia do ócio, de R. Leontino Filho

Outra volta do cânone

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Casa na duna, de Carlos de Oliveira

Um romance sobre horror nazista recuperado depois de oito décadas