Postagens

Mostrando postagens de Agosto 25, 2020

Visões na neve. Interpretação de “Bosque branco”, de Maria Azenha

Imagem
Por José Ángel Cilleruelo Depois de alguns livros de caráter temático diferenciado , Maria Azenha retorna com Bosque branco (2020) aos poemas extremamente curtos e ao simbolismo endocêntrico, ou seja, aquele em que os textos ramificam um único núcleo simbólico. Uma poética que já havia inspirado alguns de seus títulos essenciais, como A sombra da romã (2011), com a qual o recém-publicado estabelece alguns paralelos. Formal, como a extensão dos poemas, de dois e três versos; mas sobretudo no conteúdo, como poemas de amor escritos não para uma pessoa, mas para o próprio Amor: “É primavera, Amor. / O meu coração nasceu no teu, em flor.” Como naquele livro, Bosque branco é geralmente feito de declarações, promessas, carências, desejos, presentes, intimidades, medos, ausências e sonhos de amor. E também por outro elemento, então ausente, que desfigura o paralelismo. Bosque branco é um poema de amor para o Amor: “Uma criança inocente dorme em meu leito / Com o nome do m