Postagens

Mostrando postagens de Agosto 25, 2020

Visões na neve. Interpretação de “Bosque branco”, de Maria Azenha

Imagem
Por José Ángel Cilleruelo





Depois de alguns livros de caráter temático diferenciado, Maria Azenha retorna com Bosque branco (2020) aos poemas extremamente curtos e ao simbolismo endocêntrico, ou seja, aquele em que os textos ramificam um único núcleo simbólico. Uma poética que já havia inspirado alguns de seus títulos essenciais, como A sombra da romã (2011), com a qual o recém-publicado estabelece alguns paralelos. Formal, como a extensão dos poemas, de dois e três versos; mas sobretudo no conteúdo, como poemas de amor escritos não para uma pessoa, mas para o próprio Amor: “É primavera, Amor. / O meu coração nasceu no teu, em flor.” Como naquele livro, Bosque branco é geralmente feito de declarações, promessas, carências, desejos, presentes, intimidades, medos, ausências e sonhos de amor. E também por outro elemento, então ausente, que desfigura o paralelismo.
Bosque branco é um poema de amor para o Amor: “Uma criança inocente dorme em meu leito / Com o nome do meu Amado”, lê-se nos do…