Postagens

Mostrando postagens de Novembro 19, 2020

A lua e as fogueiras, de Cesare Pavese

Imagem
  Por Pedro Fernandes   Todo aquele que saiu de sua terra de origem carregará consigo, no mais íntimo, o desejo do retorno. Uns, talvez desavisados porque seduzidos demais pelas artimanhas do saudosismo, cumprirão o caminho de volta; outros, errarão continuamente, como quem perdeu alguma coisa e a cada vez que dela se aproxima lhe escapa; outros ainda, céticos demais, preferirão constituir suas raízes no lugar de destino. O narrador de A lua e as fogueiras perfaz uma síntese dessas três maneiras de estreitamentos do homem com seu lugar origial, ainda que não consiga precisar com rigor o ponto do início de tudo.   Colocado em criança para a roda dos enjeitados, é uma família camponesa dos arredores de Canelli que o toma como cria da casa não pelo interesse de acrescentar ao ajuntamento um filho e sim a renda de cinco liras pagas uma vez ao mês pelo Estado. O agravamento da miséria se passa com a destruição da lavoura numa geada repentina; sem condições de honrar com os compromissos fi