Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 7, 2020

“Platero e eu”: pedagogia e ternura

Imagem
Por Rafael Narbona   A primeira edição de Platero e eu foi publicada em 1914, com 63 capítulos que mostravam uma experiência muito pessoal da língua espanhola, sem traços de retórica, aspereza ou exotismo. Nascia uma das grandes obras da literatura mundial e um dos clássicos mais recentes e comoventes. Três anos depois surgiria uma segunda edição, com os 138 capítulos definitivos. Cada capítulo de Platero e eu é um pequeno poema em prosa. O estilo cuidadoso e requintado coexiste com um ritmo narrativo ágil, fluido e altamente emocional.   Juan Ramón Jiménez (Moguer, Huelva, 1881-San Juan, Porto Rico, 1958) iniciou sua carreira literária sob a influência do Modernismo, mas não demorou muito para se tornar independente de qualquer tendência estética, construindo uma obra dinâmica, mística, autocrítica e profunda. Ele nunca se sentiu confortável com os postulados da Geração de 98. Não compartilhava de seu pessimismo ou de sua angústia vital, e os campos de Castela apenas nele produziam