Carlos Drummond de Andrade e a poesia de todos os tempos



O livro Carlos Drummond de Andrade, dentre as dezenas livros de prosa e verso que publicou, que mais me diz de sua própria obra é o de poesia A rosa do povo. Mas, toda superioridade que dou a ele será vã se olharem para meu currículo de leitor e notar a presença de apenas esse livro como um dos lidos ponta a ponta por mim. Como todo mundo já deve ter feito – e está aí o caráter de liberdade da poesia – li já muitos esparsos. Agora, se em vida eu conseguir ler apenas A rosa do povo terei, com plena convicção, lido aquilo que de mais significativo produziu o poeta, afinal, todo escritor tem, em algum momento de sua vida literária, aquilo que comumente podemos chamar por epifania. O limite ou topo, para usar uma linguagem rasteira. Isso porque A rosa do povo assinala como o livro que atravessa a vida do poeta e o seu tempo e num só instante é capaz de, para o leitor, alargar-lhe os sentidos e as fronteiras da existência.

(Clique na imagem para ampliar). Datiloscrito do poema "Nota  social", escrito em 1923, e incluído no livro de estreia, em 1930, Alguma poesia. O poema está com marcas de leitura feitas pelo Mário de Andrade, com quem Drummond se correspondeu longamente, desde o seu periódico de 1925, A revista.
Foto: Arquivo Carlos Drummond de Andrade - AMLB/FCRB.

O primeiro poema a causar celeuma entre os literatos do seu tempo foi “No meio do caminho”, publicado originalmente na Revista de Antropofagia. Se os modernistas assistiram a tudo com todo fulgor do movimento, sim, por Drummond, não tendo participado diretamente do Grupo de 22, soube assimilar, do interior de Minas Gerais, tão mais integralmente o que propunha o modernismo que os próprios que tocavam o espírito moderno em São Paulo. Depois, talvez incentivado pelos rasgos críticos do poema-enigma, o poeta decide por custear uma edição de seus próprios textos. Também, o próprio Mário de Andrade, com quem se correspondia já desde o nascimento de seu periódico A Revista terá lhe aconselhado, ao saber do interesse repentino do poeta em destruir a produção literária incipiente: “Você me falou que eu não me espantasse se um dia você rasgasse o seu caderno de versos. Isso você não tem direito de fazer e seria covar-dia. Você pode ficar pratiquíssimo na vida se quiser porém não tem direito de rasgar o que já não é mais só seu, que você mostrou pros amigos e eles gostaram.”¹ Isso porque Mário de Andrade tinha já conhecimento dos poemas escritos por Drummond até aquele período e em alguns terá feito até sugestões, como o poema “Nota social” (ver imagem acima, do datiloscrito), que sairá no livro autocusteado.

E, em 1930, aparece Alguma poesia, o livro que, em definitivo, revelou o poeta. Até então eram os versos publicados esparsamente nas revistas literárias. Na edição, reaparece a versão definitiva de “No meio do caminho”, seguido de outros clássicos como “Poema de sete faces”, que inaugura a ideia do poeta gauche, “Infância”, “Quadrilha”, entre outros. O livro de estreia foi suficiente para locar o autorno rol dos mais importantes nomes da cena literária brasileira, como afirma Bandeira em carta: “Muito obrigado pela remessa de Alguma poesia e da dedicatória do delicioso poeminha da Política literária. O seu livro é dos mais puros da nossa poesia. V. com mais três ou quatro são os poetas que me satisfazem: gosto desse seu lirismo de aporrinhado e quanto à forma, à expressão não tenho nenhuma restrição: nenhuma falta de gosto, nenhuma descaída, nenhuma palavra dessas que a gente acha pau ou besta nos outros. Nenhum poema insignificante, tudo medular. Por aqui a impressão geral (geral entre os nossos) é ótima: impressão de raro e de sólido.”²

Alguma poesia traz consigo já bem elaborado todos os trajetos temáticos pelos quais se guiará o poeta nos livros seguintes. 

A título de fazer um recorte da sua vasta obra, o Letras preparou um fôlder com os poemas mais conhecidos de Drummond, outros nem tanto, mas todos, indispensáveis para uma panorâmica de sua produção poética. Antecede a compilação dos textos, um ensaio do Professor Alcides Villaça escrito para a edição 25 da extinta Revista Entrelivros, que neste número propôs um dossiê sobre a obra do poeta mineiro. O ensaio se preocupa em ler o que Villaça denomina por enigma em Drummond. 





Novidades em torno da obra drummondiana

Em 2009, foi apresentado um inédito com poemas de Carlos Drummond escritos antes do livro de 1930. A edição foi publicada agora, em 2012, pela Cosac Naify com título de Os 25 poemas da triste alegria. O Letras fez um post sobre e trouxe alguns inéditos. Vá por aqui.

Também a Cosac Naify está lançando uma edição crítica com poemas que vão de 1930 a 1960, reunindo deste modo uma dezena de livros do poeta Carlos Drummond. 

Notas
¹Carta datada de 8 de maio de 1926.  O texto está no livro Carlos e Mário, p. 213 a 219, publicado em 2002 pela editora Bem-Te-Vi.

² Carta datada de 8 de maio de 1930. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

José Saramago e As intermitências da morte

Visões de Joseph Conrad

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

A melhor maneira de conhecer o ser humano é viajar a Marte (com Ray Bradbury)

Não adianta morrer, de Francisco Maciel

Boletim Letras 360º #246