Postagens

Mostrando postagens de Novembro 24, 2021

A obsessão dos olhos: Buñuel o voyeur

Imagem
Por Glafira Rocha Todo se hace en silencio como se hace la luz dentro del ojo. Jaime Sabines   Frame de Um cão andaluz , filme de Luis Buñuel.   Um olho no buraco da fechadura olha, observa, espia. Um marido ciumento do outro lado e uma agulha comprida e afiada que é inserida com a intenção de perfurar esse olho que irrompe no universo dos amantes. O olho se esvazia, sangra, o espião grita: perdeu um de seus valores mais preciosos. Na imaginação paranoica de um homem aprisionado pelo ciúme, acontece essa história que não tem relação com a realidade; ninguém vê, não há ninguém atrás da porta, embora sua resposta corresponda à sua fantasia, pois um cérebro não distingue entre o que realmente está acontecendo e o que a ilusão lhe indica. Os olhos são a sua obsessão, a visão do voyeur que participa do evento como ausente e presente ao mesmo tempo. O olhar que realiza um jogo de espelhos: o autor que imagina, o ator que representa, o espectador em sua poltrona, que também invade aquele cal