Postagens

Mostrando postagens de Maio 9, 2022

José Juan Tablada: há orgias de sálvia na floresta

Imagem
Por José Homero José Juan Tablada, 1920?21  Não é curioso que os antigos haijin, monges zen errantes, se caracterizassem pelo movimento e que o introdutor do haikai — termo preferido pelo poeta ao hoje mais popular do haiku — e da sensibilidade poética japonesa no México, José Juan Tablada (1871-1945), o definisse como movimento? Numa carta de 1919 dirigida a José María González de Mendoza, ao tratar sobre as novas tendências visuais e literárias que havia encontrado durante sua estada em Paris, Tablada argumenta que aceitar a inovação ou apegar-se à tradição responde a uma concepção de arte. Desnecessário dizer, de uma poética:   Tudo depende do conceito que você tem de arte. Há quem a considere estática e definitiva; eu acredito em movimento perpétuo e em renovação contínua como as estrelas e como as células do nosso próprio corpo. A vida universal pode ser resumida em uma única palavra: movimento. A arte moderna está em curso, e dentro dela a obra pessoal também está em si mesmo, c