Postagens

Mostrando postagens de Agosto 4, 2022

Quem tem medo da literatura experimental?

Imagem
Por Domingo Rodenas de Moya Eduardo Arroyo. Ilustração para Ulysses , de James Joyce.   A resposta ao título deste artigo é simples: os editores, que empalidecem pelo pesadelo de uma fuga em massa dos leitores. É verdade que as obras experimentais que agora cumprem um século, como Ulysses ou The Waste Land , já estão protegidas pelas bases de concreto do cânone, o que permite aos curiosos se aproximarem delas sem medo da irradiação do ininteligível e armado de guias tão estimulantes e instrutivos como o que Eduardo Lago acaba de publicar sobre o romance de James Joyce, Todos somos Leopold Bloom (Galaxia Gutenberg). São livros “que expulsam o leitor de seus domínios, que nem permitem sua entrada”, como diz Lago, mas cuja consagração como clássicos os transformou em forragem para a indústria acadêmica, que amortece suas dificuldades e as torna inofensiva para o negócio editorial. Larva. Babel de una noche de San Juan , de Julián Ríos, que foi lindamente recuperado pela editora Jekyll