Postagens

Mostrando postagens de Outubro 27, 2021

A poesia de Roberto Bolaño, algo mais que um gesto incompleto

Imagem
Por Mónica Maristain — Quem o fez acreditar que é melhor poeta do que contador de histórias?   — A gradação do rubor que sinto quando, por puro acaso, abro um livro meu de poesia ou um de prosa. Eu coro menos com a poesia.   Lucero Andrade, Roberto Bolaño e Bruno Montané. Foto: Consuelo Karoly.   Ele não escreveu um Canto Geral , que entre outras coisas era seu livro favorito de Pablo Neruda. Não deixou a marca de outro de seus compatriotas, Raúl Zurita, que em A literatura nazista na América empresta a Carlos Wieder o hábito de escrever poemas no céu (Precisamente, em Cadernos de guerra , Zurita se refere ao “Hepático Bolaño” que nunca conheceu e muitas vezes recebe pouco crédito como poeta e romancista).   No entanto, Roberto Bolaño (1953-2003) escrevia poemas. Não foi um grafomaníaco como seu grande amigo Mario Santiago (1953-2008), mas atribuiu a uma inalienável vontade poética, além de publicar algumas coleções de poemas, incluindo sua primeira obra editada pelo lendário Juan Pas