Postagens

Mostrando postagens de Julho 1, 2022

Literatura: censura e boas intenções

Imagem
Por Gisela Kozak Rovero Ilustração: Ivan Lubennikov   Na primeira parte desta série comentei os altos e baixos da arte verbal entre a submissão aos valores postulados do poder e seu desafio ou desmascaramento.¹ Tais oscilações estão relacionadas à preocupação das elites políticas e religiosas com as influências da escrita sobre os leitores. Em seu belo texto “A muralha e os livros”, Jorge Luis Borges conta a história de um imperador da China que baniu os textos do passado, testemunhos de reinados anteriores com os quais os seus poderiam ser comparados. Outro Jorge, um monge, personagem do romance O nome da rosa , de Umberto Eco, envenena um livro, A Comédia de Aristóteles, para punir seus leitores, culpados do maior pecado possível, o riso, porque quem ri muito zomba de Deus.   Este monge, cego e trancado numa biblioteca labiríntica, constitui uma homenagem lúdica e irônica ao escritor argentino e uma confirmação de seu zelo pela palavra escrita. Padre Jorge zelava pela pureza dos bon