Postagens

Mostrando postagens de Outubro 22, 2019

O retorno “da menina que queria ser Deus”

Imagem
Por Laura Fernández






Sylvia Plath (Boston, 1932-Londres, 1963) escreveu como se estivesse pintando, mas também como se encenasse, como se estivesse revivendo, como se pudesse recompor algo partido. O fato de ter escrito seu primeiro poema aos oito anos de idade, logo após a morte de seu pai – uma figura-chave de sua poesia, sempre representada por algo relacionado a abelhas, pois ele era um apaixonado pela apicultura – aponta a esse respeito. O mesmo acontece com A redoma de vidro. Seu único romance é um clássico do feminismo, sim, mas, acima de tudo, da literatura universal e de um niilismo apaixonado, nascido de uma neurose quase mística – ou o quão raro é ser um espectador de sua própria vida quando você não encontra sentido nela. Publicado apenas um mês antes de seu suicídio – tão morbidamente corriqueiro que pode condenar, e pode ter feito isso por muito tempo, tendo o seu trabalho apenas como um apêndice para sua pessoa infeliz e fascinante –, o trabalho retorna, em uma nova ediç…