Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 15, 2022

Os Diários de Franz Kafka: o batismo de fogo

Imagem
Por Pablo Sol Mora Franz Kafka. Ilustração: Tom Gauld.   Sou um leitor assíduo de diários. Gosto não das fofocas, mas desse motor da literatura; é fascinante ter a oportunidade de espiar a vida privada de um escritor e conhecer suas facetas mais íntimas, seus entusiasmos e suas angústias, suas certezas e hesitações, seus pequenos triunfos e derrotas, sua vida cotidiana e doméstica. É claro que nem todos os diários de escritores são diários íntimos, verdadeiramente íntimos; alguns são escritos desde o início para o leitor e a posteridade. O diariófilo sabe apreciar todos, os realmente íntimos e os mais eminentemente públicos e literários. Talvez o grande diarista seja aquele que escreve apenas ou fundamentalmente seu diário (Amiel, cujo Diário íntimo frequentei muito na adolescência e que me arrependo de ter deixado de fora dessas memórias) ou a quem o diário acaba impondo ao resto de sua vida. Li e gostei de muitos diários diferentes (Gide, Léautaud, Stendhal, os Goncourt, Woolf, C. S