Postagens

Mostrando postagens de Julho 8, 2022

Max Aub

Imagem
Por Antonio Muñoz Molina   Em março de 1998 assisti a uma apresentação de San Juan , de Max Aub, no teatro María Guerrero, em Madri. O público lotava a sala, a encenação tinha um alcance visual e dramático admirável, os inúmeros atores, sem exceção, interpretavam seus personagens com intensidade e sem afetações. O final apocalíptico deixou um silêncio ensurdecedor seguido imediatamente por um longo dilúvio de aplausos. De pé, entre as pessoas emocionadas e emocionadas, lembrei-me de Max Aub, morto há 26 anos, e a quem a justiça desse reconhecimento chegava tão tarde.   O que acabávamos de ver e ouvir no María Guerrero havia sido escrito por ele há exatos 56 anos, no porão do navio que o levava de Casablanca a Veracruz, mas ele havia começado a imaginá-lo algum tempo antes e em outro navio mais sinistro, aquele onde viajou como prisioneiro dos franceses de Vichy, a partir de Marselha para a África. Max Aub, que foi um escritor assíduo e excelente de diários, teve, no entanto, a virtud