Postagens

Mostrando postagens de Julho 22, 2022

Marco Aurélio ou a educação do estoico

Imagem
    Por Pablo Sol Mora Marco Aurelio. Ilustração: Begoña Blázquez Parro   Já contei que em casa havia vários livros das coleções da Aguilar: Obras Eternas, Joya e Crisol. Desde criança estes últimos me chamavam a atenção, por seu tamanho, muito pequeno, e suas cores: verde para poesia, azul para o teatro, vermelho para a prosa literária e café para a filosofia. Eventualmente comecei a lê-los e ali puder ler pela primeira vez, digamos, Madame de La Fayette ( La princesa de Clèves ), La Bruyére ( Caracteres ), Cícero ( Los oficios ), Unamuno ( Niebla ), Étienne Gilson ( Santo Tomás de Aquino ), Dickens ( Grandes esperanzas ), André Maurois ( Turgueniev ), Joan Maragall ( Antología Poética ), o Viaje de Turquía ,¹ entre outros. Contudo, se tivesse que escolher um único título da coleção teria que ser o dos Moralistas griegos (Madrid, 1960), no qual descobri meu herói da Antiguidade, Marco Aurélio.   Os Solilóquios – ou Meditações , ou Reflexões , ou Pensamentos , na verdade, o título qu