Postagens

Mostrando postagens de Março 30, 2022

Literatura do córrego: sobre o que falamos quando falamos sobre “grit lit”?

Imagem
Por Laura Fernández Alfred H. Maurer. Recorte com tribulo a  Sherwood Anderson. Google Art Project   No sul dos Estados Unidos, o sul de cidades fantasmas, de caravanas que confundem com a terra, de ravinas sinistras, rios rasos e vibradores em forma de cobra, só se toma café com algo chamado corn grits . Um tipo de cereal de tigela no leite que parece um mingau monstruoso e mole. “Foi assim que tudo começou”, diz Chris Offutt (Lexington, Kentucky, 63). Autor do sufocantemente poderoso Kentucky Straight , e de pelo menos mais um par de romances, publicados na Espanha por Sajalín, e filho de Andrew (Offutt), o rei da pornografia escrita do século passado, refere-se à maneira como surgiu o apelativo grit lit . A chamada “literatura-rio”, ou noir rural , aquela que torceu o universo irremediavelmente perdido do clássico (de 1919) Winesburg, Ohio , de Sherwood Anderson, não foi oficialmente considerada “uma coisa toda em andamento” até 2012, como lembra Offutt de algures do condado de Laf