Postagens

Mostrando postagens de Junho 23, 2022

La carretera del tiempo — uma leitura da obra de Juan Rulfo por Cristina Rivera Garza*

Imagem
  Por Felipe de Moraes     [...] Al fin me encuentro con mi destino sudamericano.   — De Jorge Luis Borges, em “Poema conjetural”     “—¿Qué país es éste, Agripina?”   — De Juan Rulfo, em “Luvina” Ilustração: Santiago Solís   Paul Valéry, em suas Lições de Poética ministradas no Collège de France no ano de 1937, observa que é impossível mensurar as forças envolvidas no ato da escrita (2018, p.11 e ss); isso porque a obra literária não é apenas um reflexo da interioridade do seu autor, vista como um produto exclusivo de suas faculdades subjetivas e racionais, ao contrário, o romance, o conto, o poema, o drama só ganham vida no contato com o mundo externo, ou seja, com os seus receptores e na sua circulação histórica e cultural. O texto literário, portanto, pode e deve ser compreendido como uma forma que abriga tensões constantes entre os elementos contraditórios que o constituem: tradição e modernidade, civilização e barbárie, utopia e conservadorismo, variação histórica e permanência