Postagens

Mostrando postagens de Junho 1, 2022

Literatura, heróis e rebeldia

Imagem
Por Gisela Kozak Rovero André Derain. Ilustração para o Satíricon , 1934.   Aristóteles dizia em sua Poética que a tragédia não devia desafiar os valores sociais; seu papel catártico acontecia quando o espectador se olhava no espelho dos horrores que ocorriam aos personagens, expressão da ordem natural das coisas.   O espectador contempla o que os deuses fazem com homens e mulheres, talvez comovidos por tanto sofrimento, sem duvidar de sua inevitabilidade. Para o bem do mundo, Édipo deve pagar pela falha que nem sequer sabia que havia cometido, o incesto com a mãe. Antígona, outro personagem de Sófocles, desobedece às leis; a jovem morre defendendo as tradições e a família. Ela enfrenta o autoritarismo, o faz em nome de valores considerados superiores e enfrenta a morte: uma mulher não deve desafiar nenhum bastião patriarcal. A luta entre antigos e novos valores atravessa as tragédias gregas; porém, violar o delicado equilíbrio entre homens, deuses, polis, reis, homens e mulheres traz