Postagens

Mostrando postagens de Março 22, 2022

Estridências de Trilce

Imagem
Por Sévana Karalékian   Li a obra de César Vallejo pela primeira vez há apenas alguns anos, num contexto universitário. Estava preparando um congresso — na França, nos fascinam e nos assediam — em cujo programa aparecia o trabalho do peruano. Era um evento nacional, e várias conferências foram organizadas naquele ano sobre o poeta, especialmente em Paris — uma capital inevitável, mas também onde Vallejo (1892-1938) repousa no cemitério de Montparnasse, não muito longe de Baudelaire, e a coincidência ainda continua me parecendo um lance de sorte. Certa vez, um professor, a quem chamaremos de S., veio nos apresentar sua leitura de Trilce . Com o livro na mão, ele desabafou: “à primeira vista, pode-se pensar que ele vê nossa cara de idiotas”.   Esse professor havia escrito algumas das linhas mais esclarecedoras que eu estava prestes a ler sobre Vallejo.   Minha primeira impressão de Trilce foi a mesma que o professor S. havia descrito. Seria difícil para mim escolher palavras mais exatas