Postagens

Mostrando postagens de Outubro 13, 2021

Pedro Almodóvar, filmes paralelos

Imagem
Por Carlos Reviriego “Não há história muda.” As palavras de Eduardo Galeano que fecham o drama das Mães paralelas , usadas com inteligência e sugestão lírica, funcionam como elo de um filme fragmentado, uma espécie de film-frankenstein desdobrado praticamente como dois “filmes paralelos” que partilham personagens, mas que poderiam muito bem não fazê-lo. No último longa-metragem de Pedro Almodóvar — que, para não sobrecarregar o leitor sem uma avaliação prévia, é um filme magnífico, comovente e de grande relevância — assistimos a um prólogo (em Madrid, 2016) e a um epílogo (numa cidade não identificada, 2019) que, se juntamos, formaríamos um sublime e inestimável curta-metragem.   Jamais saberemos como o filme teria sido submetido à operação, antes utilizada pelo manchego, de estrear simultaneamente um curta e um longa-metragem ( Abraços partidos + A vereadora antropófaga , em 2009) com personagens comuns (ou pelo menos a autoria do curta, assinado pelo cineasta que protagoniza o lon