Postagens

Mostrando postagens de Julho 13, 2022

O Céu de Suely: o sensível também é possível

Imagem
Por Heto Sazá O céu de Suely começa com um sonho, com um delírio, e deixa claro, desde o primeiro plano, o seu caráter intimista. A protagonista Hermila apresenta-se com a seguinte frase: “eu fiquei grávida num domingo de manhã” e em seguida, ao som da balada brega-romântica “Tudo que eu tenho de Diana”, dança em lembrança, feliz e apaixonada, com seu namorado. Até que ela desperta, em um ônibus a caminho de sua cidade natal, Iguatu, no semiárido cearense. Hermila é doce e amável; volta para casa com um filho no colo e com algum brilho na cara, mas depois disso, como o protagonista de Árido movie (Lírio Ferreira, 2006), ela não mais pertence àquele lugar. E que lugar é esse, afinal, que expulsa os seus?   Mesmo diante desse mote, tão sensível aos sertões, o filme não cai na mesmice: Iguatu é uma cidade pacata e não parada; Hermila deixou-a por causa do amor e não por causa da seca. O filme parece, na verdade, mais interessado em desconstruir clichês do que se basear neles. Ter um en