Poema em processo


como gotas d’água
que caem do teto de uma caverna
meio que, por acaso, no papel

na figura do poeta
prefiro fecundar-me e parir
em palavras, poemas

afinal poema é sentir
ainda por definir-se
e ser e causa

poema ainda traz a missão secreta
sei lá, discreta, até
de novas ordens de vida
mesmo que carregado de talvez

mesmo que despido de palavras
diz tudo
porque em sendo tudo não é nada
e sendo nada diz tudo.


* Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Companheiros de viagem: J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis: "O dom da amizade", de Colin Duriez

Os últimos dias de Thomas Mann

Seis lições de Doris Lessing

Boletim Letras 360º #287

“Andávamos sem nos procurar”, o filme de “O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar

Sete pontos da filosofia da composição de Edgar Allan Poe

Boletim Letras 360º #285

Não escrever: breve ensaio sobre a impossibilidade

O conto inédito de Ernest Hemingway que narra a libertação de Paris do nazismo