Boletim Letras 360º #579

Cristovão Tezza. Foto: Guilherme Pupo



LANÇAMENTOS
 
Cristovão Tezza reescreve e publica seu primeiro romance; inspirado nos anos em que fez parte de uma comunidade de teatro, e uma sociedade alternativa, liderada pelo escritor e dramaturgo W. Rio Apa.
 
Antes de se tornar o renomado romancista, cronista e crítico que é hoje — com uma impressionante lista de livros publicados e laureado com vários dos principais prêmios da literatura brasileira, como o Prêmio Jabuti, Prêmio São Paulo de Literatura e Prêmio Literário Biblioteca Nacional —, Cristovão Tezza, durante os anos de 1968 a 1976, fez parte de uma comunidade de teatro, no litoral do Paraná, liderada pelo escritor, dramaturgo e teatrólogo W. Rio Apa (1925-2016). Da rica experiência comunitária, de onde se firmou o seu fascínio pelo mundo artístico e literário, nasceu Ensaio da paixão, romance com fortes traços autobiográficos, lançado originalmente em 1986, e que agora ganha uma nova edição revista pelo autor. A partir de sua vivência pessoal, Tezza elaborou uma narrativa ficcional e satírica, ambientada nos anos de chumbo da ditadura militar. O romance conta a história de um grupo peculiar — composto por habitantes de uma ilha isolada na região sul do Brasil, a Ilha da Paixão —, que se reúne em torno de um único objetivo: encenar a Paixão de Cristo. A peça é produzida todo ano na ilha sob direção de Isaías, o autoproclamado profeta da região. Apesar dos choques entre as personalidades de seus integrantes, de suas diferenças sociais, de suas desvairadas paixões políticas, ideológicas, sexuais e artísticas, o excêntrico rebanho se prepara, em conjunto, para ensaiar e produzir a peça de maneira espontânea, sem seguir nenhum roteiro ao pé da letra. Enquanto se preparam para a grande apresentação, eles combinam trabalho e prazer, ao mesmo tempo em que gozam da liberdade que a ilha proporciona. Contudo, são vistos pelas autoridades repressoras do país como um grupo subversivo e uma forte ameaça à ordem vigente. Neste romance de sua juventude, Tezza usa o realismo mágico — traço marcante da literatura da época — combinado ao humor explícito, de ritmo acelerado, para dar um exemplo de como funcionavam as comunidades alternativas dos anos 1970 e de como elas eram vistas pelo Estado. A ilha, a formação de um grupo em prol de algo maior que ele próprio, a repressão exercida por um governo autoritário: todos os elementos compõem uma saborosa alegoria de nosso país. Em Ensaio da Paixão, o autor parece compreender, de forma quase catártica, o impacto que seu período na comunidade de Rio Apa teve em sua vida pregressa, quando era apenas um jovem revolucionário e transgressor radical do “sistema”, e na sua vida presente, como escritor e literato renomado. Em um posfácio inédito, escrito especialmente para esta edição, o autor avalia as diferenças culturais entre o momento atual e a época de sua juventude, iluminando certos aspectos do livro. Mas, diferenças à parte, Cristovão Tezza continua o mesmo rebelde de sempre: “[A literatura] é uma experiência pessoal destinada não a ensinar o que o autor sabe, mas para ele mesmo descobrir, pela escrita, o que ainda não sabe, e eventualmente partilhar com o leitor. É uma atividade de risco, um ato de existência e um território livre; ela tem de ser um território livre para fazer sentido.” Publicação da editora Record. Você pode comprar o livro aqui.
 
Salman Rushdie relembra em livro o atentado que sofreu em 12 de agosto de 2022 e ressignifica sua traumática experiência, respondendo à violência com arte. Uma reflexão emocionante sobre a vida, a perda e o amor — e sobre como encontrar forças para um novo começo.
 
Em fevereiro de 1989, o principal líder da Revolução Iraniana, aiatolá Ruhollah Khomeini, emitiu uma fatwa contra Salman Rushdie, ordenando que tanto o autor quanto a equipe que trabalhara na publicação do livro Os versos satânicos fossem assassinados. Por mais de trinta anos, Rushdie viveu sob a sombra dessa ameaça — até 2022, quando foi esfaqueado. Pela primeira vez desde o atentado, o autor compartilha sua experiência de sobreviver ao pretenso destino. Dividido em duas partes, Faca narra, em detalhes inesquecíveis, os momentos imediatos que se sucederam ao ataque, bem como o processo de recuperação física e psicológica do escritor, do período no hospital aos esforços de reabilitação, passando pelo apoio essencial de sua esposa, Rachel Eliza Griffiths, e até por um diálogo imaginário com o agressor, culminando com a volta ao lugar onde tudo aconteceu. Neste livro absolutamente íntimo, Salman Rushdie se distancia dos universos muitas vezes fantásticos característicos de sua obra para explorar o que há de mais concreto na humanidade, sem jamais abrir mão da forma literária pela qual se consagrou. Com tradução de Cássio Arantes Leite e José Rubens Siqueira, o livro sai pela Companhia das Letras. Você pode comprar o livro aqui.
 
Entre idas e vindas temporais, Adriana Lisboa conduz o leitor a habitar os pensamentos em desassossego de Adelaide, uma ex-presidiária e ambientalista que se vê diante da brutalidade das relações humanas.
 
Adelaide integrou um grupo de ativistas dos direitos animais e acabou se envolvendo numa ação extrema de protesto, incendiando um laboratório de pesquisas nos Estados Unidos. Depois de três anos presa, ela volta ao Brasil. À procura de um recomeço, muda-se para uma pequena cidade na região serrana do Rio, onde conhece Rai — o gentil proprietário da casa mobiliada que aluga — e sua família. Ao intercalar a jornada da ativista e as incertezas que se formam nos novos vínculos que Adelaide estabelece, Adriana Lisboa tece uma narrativa sutil e poderosa sobre a fragilidade e a violência que se escondem nas mais sensíveis relações e aponta para o modo muitas vezes arbitrário como certas agressões são condenadas e outras normalizadas — incluindo, aqui, a conduta humana em relação às outras espécies animais. Os grandes carnívoros sai pela Alfaguara Brasil. Você pode comprar o livro aqui.
 
Um novo livro em nova tradução na reapresentação da obra de Graham Greene.
 
Ambientado nos arredores de Londres, Fim de caso narra os caminhos insólitos de Maurice Bendrix, um escritor que se envolve em uma relação extraconjugal intensa e conflitante com Sarah Miles, que o faz questionar seu talento, sua crença e seus valores morais. Ao ser deixado por ela, Bendrix pensa estar livre das memórias daquela relação, mas um encontro não planejado com Henry, marido de Sarah, traz de volta a paixão, a insegurança e o ciúme adormecidos. Ao longo da narrativa, outros personagens surgem, uma nova realidade se apresenta, e muito do que Sarah, Maurice e Henry acreditavam ser verdade absoluta se desfaz. Em uma instigante reflexão sobre o adultério, Graham Greene compõe uma trama genial, inquietante e repleta de elementos autobiográficos sobre amor, ódio, ciúme, religião e as contradições humanas. Adaptada para o cinema com Ralph Fiennes e Juliane Moore, a obra é o quarto e último livro da tetralogia Romances Católicos de Greene, composta por O condenado, O poder e a glória e O cerne da questão. A tradução de Bruno Gambarotto sai pela Biblioteca Azul. Você pode comprar o livro aqui.
 
Uma bruxa-curandeira de um povoado no interior, uma jovem jornalista da cidade grande. O encontro de dois mundos que se revelam perturbadoramente próximos.
 
Primeira mulher em uma linhagem de curandeiros homens, Feliciana é conhecida dentro e fora do México por seus feitos prodigiosos. Ricos, pobres, famosos, pessoas comuns — adoecidos de toda sorte peregrinam até o povoado de San Felipe, escondido em meio às montanhas, na esperança de se verem livres de suas enfermidades. No entanto, quando é informada do assassinato de sua mentora Paloma, repentinamente Feliciana perde seus poderes. O caso chama a atenção de Zoé, jornalista que vive na metrópole mexicana. Interessada em compreender o assassinato de Paloma e, ao mesmo tempo, curiosa para conhecer Feliciana, Zoé decide entrevistá-la para o jornal onde trabalha. Se, na superfície, as realidades de Feliciana e Zoé não poderiam ser mais diferentes, o desenrolar de seus depoimentos revela um conjunto semelhante de medos, anseios, violências e afetos. Ao aproximar essas duas vozes tão singulares com sua prosa impecável, Brenda Lozano cria uma reflexão profunda acerca de tradições ancestrais, das pequenas subversões do dia a dia e, sobretudo, do poder arrebatador da linguagem. Com tradução de Silvia Massimini Felix, Bruxas é publicado pela Companhia das Letras. Você pode comprar o livro aqui.
 
Neste tão aguardado retorno ao romance, a escritora, jornalista e tradutora Vanessa Barbara se debruça sobre escrita, depressão, maternidade e mitologia grega para criar uma narrativa híbrida, na qual se intercalam passagens autobiográficas com investigações acerca de escritores que, assim como ela, sofreram de depressão.
 
Sylvia Plath, Clarice Lispector, Henry James e Franz Kafka entram em cena para mostrar continuidades e particularidades da relação entre o abatimento e o fazer literário, apesar das diferenças de época, gênero e classe social. Enquanto acompanhamos o puerpério da narradora — especialista em mitologia grega e tradutora freelancer — assistimos desde a quebra de expectativa com a experiência do aleitamento até a espiral depressiva da privação do sono. O crescimento do bebê ao longo de dois anos, e o estreitamento dos laços entre mãe e filho, são descritos entre mitos gregos e detalhes anedóticos que Barbara usa a serviço do bom humor do texto. Em uma constante mistura de registros, Três camadas de noite é uma leitura original entre aquelas que tratam de maternidade e saúde mental. Com acidez e sagacidade características, a autora trata de temas tão antigos quanto as intrigas do monte Olimpo e, ainda assim, mais urgentes que nunca. A publicação é da editora Fósforo. Você pode comprar o livro aqui.
 
O novo romance de Tito Leite.
 
Gêmeos, os irmãos Ivanildo e Sandro vivem em Jenipapo, cidadezinha árida do sertão nordestino. Trabalham, como quase todos ali, na lavoura de algodão. E também como quase todos, são explorados pelos figurões locais, em especial Roberto, o usineiro que detém o poder ao longo de todo o processo de produção e comercialização da matéria-prima. Os agricultores plantam, colhem e se submetem aos compradores, que estão sempre secundados por jagunços. Não há banco na cidade, e o pagamento vem com o rendimento das safras futuras. A sensação geral é de exploração pura e simples. Gerações inteiras parecem não sair do lugar. A modorra é econômica, social e emocional. Diante desse quadro, poucos — devido ao medo de violentas represálias — se articulam contra essa injustiça secular. Um dos raros a fazê-lo é Ivanildo, o “sonhador”, que não se conforma com a vida que ele e sua família levam, não admite ser comandado por pessoas brutais e sente-se cada vez mais impelido a falar sobre os desmandos e injustiças em Jenipapo. Claro que isso desagrada aos chefões. E num atentado planejado contra ele, acabam ceifando a vida de Sandro, o irmão gêmeo que sempre foi alguém conformado com a vida besta (e a iniquidade sem fim) do lugar. A partir daí o leitor de Jenipapo western é engolfado numa espiral de violência e vingança — um acerto de contas familiar, mas também uma revanche sangrenta contra séculos de aviltamento. Publicação da editora Todavia. Você pode comprar o livro aqui.
 
Amor, cinismo, a dificuldade em expressar os próprios sentimentos, a extraordinária capacidade narrativa e a suprema elegância estilística são apenas alguns dos elementos que fazem deste romance um verdadeiro evento editorial.
 
Quando, logo após a formatura, Ava deixa a Irlanda e se muda para Hong Kong por um ano, ela não tem um plano preciso nem sabe o que esperar. Ela logo se vê presa em uma situação que não é exatamente o que imaginava: um emprego mal remunerado que quase sempre ela detesta (ensinar inglês em uma escola para crianças ricas) e um aluguel absurdo por um quarto em um modesto apartamento compartilhado com estranhos. Enquanto isso começa a sair com Julian, um jovem banqueiro inglês um pouco mais velho que ela, com muito dinheiro e brilhantes perspectivas de carreira como executivo internacional, e aceita a proposta de ir morar em seu luxuoso apartamento, não por que entre eles — sim, é o que ambos dizem — existe um relacionamento ou um envolvimento sentimental, mas puramente para conforto mútuo e sexo periódico. A situação se mantém assim por vários meses, até que, enquanto Julian está na Europa a trabalho, Ava conhece Edith. A carreira de Edith também está, como a de Julian, em ascensão, e, como Julian, ela também é fascinada por aquela garota cínica e frágil. Mas, ao contrário do que acontece com Julian, Ava percebe que Edith não apenas presta atenção enquanto ela fala, como também não tem medo de mostrar quem ela realmente é. Tempos interessantes, de Naoise Dolan, sai pela editora Âyiné com tradução de Bruna Beber. Você pode comprar o livro aqui.
 
Uma saga familiar arrebatadora de Abraham Verghese.
 
Abrangendo os anos de 1900 a 1977, O pacto da água se passa em Kerala, na costa de Malabar, no sul da Índia, e acompanha uma família que sofre de um mal: em cada uma das três gerações, pelo menos uma pessoa morre afogada - e naquela região há água por toda parte. A narrativa começa com uma menina de doze anos, enviada para seu casamento com um homem de quarenta anos. A jovem — e futura matriarca, conhecida como Grande Ammachi — testemunhará uma série de mudanças ao longo de sua vida, marcada por alegrias, triunfos, reviravoltas, dificuldades e perdas. Com uma prosa que captura e envolve o leitor desde a primeira página, este romance magistral é um testemunho do progresso da medicina, da própria passagem do tempo e dos sacrifícios feitos por aqueles que vieram antes de nós. A tradução é de Odorico Leal e o livro é publicado pela Companhia das Letras. Você pode comprar o livro aqui.
 
Uma conferência que revisita dois dos heróis gregos que cimentaram a formação da literatura ocidental.
 
Aquiles ou Ulisses? Mas isso é coisa que se pergunte? Por qual razão deveríamos preferir um dos dois grandes heróis da mitologia e da literatura antigas? O “melhor dos aqueus” é incompatível com o mais engenhoso dos gregos? Essas perguntas são o ponto de partida para a viagem pela poesia de Homero que Pierre Judet de La Combe propõe a seus leitores. De um lado, o jovem e brilhante Aquiles, protagonista desse “poema da força” que é a Ilíada, destinado à morte precoce e violenta; do outro lado, Ulisses, esse herói da astúcia e da sobrevivência, enfrentando os percalços tremendos da Odisseia. Diante dos muros de Troia, os dois encarnam valores centrais e contrastantes da cultura grega: a valentia e o desejo de glória imortal, mas também o desejo de voltar para casa e de consolidar, ainda que por breve tempo, os contornos da vida em sociedade. Aos poucos, guiados pelo autor desta pequena conferência, percebemos que a pergunta inicial esconde outra, pois Aquiles e Ulisses estão às voltas, afinal, com uma só e mesma questão: como conferir sentido, ordem e beleza às nossas vidas frágeis e efêmeras como folhas de árvores que caem? Aquiles ou Ulisses sai pela Editora 34. A tradução é de Cecília Ciscato. Você pode comprar o livro aqui.
 
REEDIÇÕES
 
Nova edição de um dos livros primeiros da literatura de Selva Amada.
 
Obra de estreia saudada desde seu aparecimento como um marco da nova literatura latino-americana, O vento que arrasa já traz as maiores qualidades de Selva Almada, que seriam reconhecidas por meio de livros como Garotas mortas e Não é um rio: a prosa límpida, cortante e poética, junto com um olhar filosófico sobre a vida das pessoas comuns e a sabedoria rara de perceber que mesmo o silêncio carrega uma miríade de significados. Uma obra triunfal. A tradução de Samuel Titan Jr. volta a circular em nova edição — pela Todavia. Você pode comprar o livro aqui.
 
RAPIDINHAS
 
Mais um russo no catálogo da Ars et Vita. Sai em maio a tradução de Irineu Franco Perpetuo de um livro de Ivan Búnin: Alamedas escuras. A edição terá prefácio de Elena Vássina e ilustrações de Svetlana Fillípova.
 
Clarice Lispector no cinema 1. Dirigido por Luiz Fernando Carvalho e com Maria Fernanda Cândido no papel principal, estreou nos cinemas a adaptação de A paixão segundo G. H. Você pode ver trailer aqui.
 
Clarice Lispector no cinema 2. A experiência de conduzir a adaptação do romance de 1964 de Clarice virou livro. Diário de um filme: A paixão segundo G. H. é da roteirista Melina Dalboni e com registros variados do processo de refação da obra para o ecrã. Você pode comprar o livro aqui.
 
Clarice Lispector no cinema 3. A partir de 16 de maio, 20 cidades brasileiras voltarão a receber no cinema a adaptação de Suzana Amaral para A hora da estrela. Às vésperas de completar 40 anos da sua primeira exibição, o filme foi digitalizado no âmbito do projeto Sessão Vitrine Petrobrás.
 
Clarice Lispector, memórias. Um passo adiante no imbróglio que envolve o sobrado no centro do Recife onde a família da escritora morou nos anos 1920. A Santa Casa de Misericórdia passará o imóvel para a Associação Casa Clarice Lispector que, agora, poderá continuar os planos de transformá-lo em um museu.

OBITUÁRIO
 
Morreu Ziraldo.
 
Ziraldo nasceu em Caratinga, Minas Gerais, a 24 de outubro de 1932 e durante toda vida profissional esteve dedicado à criação artística, contrapondo-se à formação em Direito. Começou sua carreira nas páginas de jornais mineiros nos anos 1950, destacando-se no paulista Folha da manhã com uma coluna já dedicada ao humor, uma das linhas mais importantes na extensa obra como cartunista, caricaturista e chargista; linha exercida em vários jornais e periódicos e pela qual recebeu em 1960 o Prêmio do Salão Internacional de Caricaturas de Bruxelas, o mais importante neste meio. Nessa década, criou a Turma do Pererê, a primeira revista em quadrinhos brasileira, logo suspensa depois da chegada da ditadura militar. Entre as várias frentes de oposição ao regime, destacou-se com O Pasquim, tabloide que o levaria, entre outras razões, à prisão um dia depois do AI-5. Na década de 1980, lançou o livro O Menino Maluquinho e com ele um dos maiores sucessos que o fixaria na literatura infanto-juvenil brasileira, sua outra linha mais importante na sua obra. A publicação resultaria em desenho, séries e filmes e com ela recebeu o Prêmio Jabuti de Literatura. Entre suas publicações neste território, destacam-se ainda mais de duas dezenas de outros títulos, obra reconhecida com o Prêmio de Literatura Infantojuvenil da Academia Brasileira de Letras. Ziraldo morreu no dia 6 de abril de 2024, no Rio de Janeiro.
 
Morreu Eugénio Lisboa.
 
Eugénio Lisboa nasceu a 25 de maio de 1930 na antiga Lourenço Marques, Moçambique. Concluiu os estudos em Lisboa, mas regressou ao país de origem, onde desenvolveu intensa atividade cultural, na imprensa, no Cineclube e no Rádio Clube. Foi também aí que iniciou suas atividades na docência em literatura que o levou às universidades de Pretória, Estocolmo e Aveiro. Destacou-se na literatura como escritor, ensaísta e crítico literário. É singular a bibliografia construída acerca dos desdobramentos do modernismo português, do Neorrealismo e algumas das suas personalidades mais marcantes, nomeadamente a obra de José Régio, tornando-se um dos especialistas mais dedicados, e Jorge de Sena. São livros como Poesia portuguesa de Orpheu ao Neorrealismo (1980), O Segundo Modernismo em Portugal (1984), José Régio. A obra e o homem (1976), José Régio. A confissão relutante (1989), José Régio. Uma literatura viva (1992), O Essencial sobre José Régio (2001) e Jorge de Sena. A obra e o homem (1984). A produção de textos que escreveu e publicou no regresso a Moçambique está coligida nos dois volumes de Crónica dos Anos da Peste (1973; 1975). No gênero, o seu livro Portugaliae Monumenta Frivola (2000) recebeu o Prêmio Jacinto do Prado Coelho da Associação Internacional de Críticos Literários. Membro da Academia das Ciências de Lisboa, foi feito Doutor Honoris Causa pela Universidade de Nottingham, no Reino Unido (1988) e pela Universidade de Aveiro (2002). Eugénio Lisboa morreu no dia 9 de abril de 2024, em Lisboa.
 
DICAS DE LEITURA
 
Na aquisição de qualquer um dos livros pelos links ofertados neste boletim, você tem desconto e ainda ajuda a manter o Letras.
 
1. Nasci na América... Uma vida em 101 conversas (1951-1985), de Italo Calvino (Trad. Federico Carotti, Companhia das Letras, 624 p.) Para quem não perde um papo de escritor essa é uma excelente pedida. Luca Baranelli reuniu mais de uma centena de entrevistas do autor de Por que ler os clássicos. A situação da literatura italiana e estrangeira, questões de língua e linguagem, a paixão pelas artes, os escritores e as obras de predileção, os novelos políticos, as viagens e as relações com os lugares por onde passou. Preciosidade. Você pode comprar o livro aqui
 
2. Baudelaire, de Théophile Gautier (Trad. Mario Laranjeira, Boitempo, 144 p.) O livro essencial para um leitor atento à obra de um dos maiores poetas do século XX. O ensaio de Gautier é um testemunho de rara beleza sobre Baudelaire e sua obra. A edição reúne ainda artigos e cartas (como as trocadas com Sainte-Beuve ou Émile Deschamps na ocasião de perseguição ao poeta por As flores do mal) e o estudo detido de quatro poemas. Você pode comprar o livro aqui
 
3. Monet e a pintura das Ninfeias, de Ross King (Trad. Cristina Cavalcanti, Record, 378 p.) Passam-se 150 anos do Impressionismo e é esta uma boa oportunidade de conhecer um pouco mais do movimento que mudaria em definitivo o panorama das artes plásticas. Aqui, o leitor acessa essa história por um dos seus mais célebres personagens na criação de uma das suas mais importantes obras. Você pode comprar o livro aqui
 
VÍDEOS, VERSOS E OUTRAS PROSAS
 
Ziraldo e Carlos Drummond de Andrade foram parceiros de atividade em O pipoqueiro da esquina (Codecri, 1981). Contamos um pouco desse encontro e do seu resultado aqui.

Apesar de avesso a “essa coisa de internet” é constante a presença do multiartista Ziraldo na grande rede, em entrevistas, depoimentos, campanhas publicitárias ou nos episódios do seu programa ABZ exibido na TV Brasil, onde conversava com gente de livros. Existem duas aparições suas no programa Roda Viva na TV Cultura: a julho de 1999 (e a melhor); e a de agosto de 2018.

BAÚ DE LETRAS
 
Presenças de Cristovão Tezza no Letras. O leitor encontra por aqui a resenha de três romances do escritor. Em novembro de 2016, Pedro Fernandes escreveu sobre o então recém-publicado A tradutora; cinco anos mais tarde, ele mesmo regressa ao universo literário do curitibano, resenhando A tirania do amor. E, em 2023, nosso colunista Guilherme França escreveu sobre O professor.

DUAS PALAVRINHAS
 
O espírito de um poeta está constantemente amalgamando experiências díspares; a experiência do homem comum é caótica, irregular, fragmentária.
 
— T. S. Eliot
 
 ...
CLIQUE AQUI E SAIBA COMO COLABORAR COM A MANUTENÇÃO DESTE ESPAÇO
Siga o Letras no FacebookTwitterTumblrInstagramFlipboardTelegram

* Todas as informações sobre lançamentos de livros aqui divulgadas são as oferecidas pelas editoras na abertura das pré-vendas e o conteúdo, portanto, de responsabilidade das referidas casas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #578

Boletim Letras 360º #584

Sete poemas de Miguel Torga

Palmeiras selvagens, de William Faulkner

Boletim Letras 360º #583

A melancolia política em O que é isso, companheiro?, de Fernando Gabeira