Zila Mamede, alma potiguar

Por Pedro Fernandes

Zila Mamede

A trajetória de Zila Mamede e sua carreira de poeta são complementares, como bem já observou Tarcísio Gurgel: "De menina pobre e tímida de Currais Novos, até a profissional exemplar na área de biblioteconomia; da jornalista levemente arrogante, que publicava seus próprios poemas na coluna que assinava na 'Tribuna do Norte' até a poetisa consagrada em 'Exercício da palavra' verifica-se uma conjugação de fatores biográficos e literários que, intercomplementando-se, acabariam por transformá-la no nome hoje admirado por todos os que conhecem sua obra", assinala o estudioso. 

Zila nasceu em Nova Palmeira na Paraíba, em 1928, mas muito cedo veio para o Rio Grande do Norte.


Ela aparece no cenário das letras potiguares "em 1953, quando o neoparnasianismo de 45 espalhava prodigamente suas flores de retórica", com 'Rosa de Pedra'.

Além deste livro de que o escritor Ney Leandro de Castro, em devida citação, se refere, Zila ainda escreveu 'Salinas' (1958), 'O arado' (1959), 'O exercício da palavra' (1974), 'Corpo a corpo' (1977) e 'A herança' (1984), sendo que em 1978, a poeta reúne todas as obras, à exceção desta última, numa antologia a qual chamou de 'Navegos'.

Rosa de Pedra

'Rosa de Pedra' é marco no cenário da literatura brasileira. Por essa época se falava duma Geração Pós-45, advinda dos veios recifenses e também da região centro-sul do País, principalmente do Rio.

O livro seria lançado em 1951 não fosse a falência da Editora Hipocampo, dos poetas Geir de Campos e Thiago de Mello, pela qual seria publicado, dois anos mais tarde pela Imprensa Oficial do Rio Grande do Norte.

Este livro é considerado marco por vários motivos. Primeiro é inegável, a secura das palavras do título, escolhido ironicamente ou não, que marca toda a estética da poesia que se derrama em 'Rosa de Pedra', frente à poesia que circulava até então, cheia de requififes e floreios retóricos à moda neoparnasiana.

O segundo motivo é a ressurreição operada pela poeta ao corpo do soneto, injetando-lhe novas forças. Terceiro, a inauguração, na poesia nacional, de constâncias temáticas e uma espécie de lirismo ingenuamente surrealista, como nos atesta Paulo de Tarso em seu prefácio 'Zila Mamede - itinerário e exercício da poesia' à antologia mamediana 'Navegos', a que falamos de 1978.

O Mar

Há nesta obra, além dessas qualidades já ressaltadas pela crítica, dois movimentos marítimos que a cortam ponta a ponta: da paisagem interior ao mar, 'marés da infância' e 'mar absoluto', infância e mar, o que não faz esta obra restringir-se a eles, é verdade.

O mar ocupa uma forma capitular à parte na obra e na vida da escritora. O mar e a infância. Mais aquele que esta. Aquele, inclusive está dentro desta - 'marés da infância'.

O mar exerceu verdadeiro fascínio desde sua infância. Uma espécie de atração ou de desejo a Miguelim de Guimarães Rosa em "Campo Geral": "Mãe, que é que o mar, mãe? Mar era longe, muito longe dali, espécie de lagoa enorme, um mundo d'água sem fim. Mãe nunca tinha avistado o mar, suspirava. Pois mãe, então mar é o que a gente tem saudade?" - Conta que as crianças voltavam de suas férias à beira-mar relatando seus episódios praieiros e para Zila, só restava-lhe imaginar.

Viajando certa vez para o Recife, viu a superfície ondulada que se movimentava com o sopro do vento. Perguntou ao pai se era o mar. Era o canavial. O mar veria horas depois.

Dos treze anos ao fim da vida estaria em frente ao oceano. Seja para as diárias caminhadas na Praia do Forte, em Natal. Seja para a natação. Seja para a morte quando nele, no mar, e nela, na morte, mergulhou em 13 de dezembro de 1985.

Mas nem só de mares vive "Rosa de Pedra". Como afirmado antes, a poesia de "Rosa de Pedra" inaugura nova faceta à poesia brasileira.

Basta reparar nas raízes de uma pesquisa lexicográfica que viria ser empreendida pela poeta nas publicações que se seguem a esta obra. Também é na fertilidade da palavra onde reside a preocupação da poeta. Palavra, que ao modo João Cabral de Melo Neto, de quem a autora publicou um afinco estudo intitulado "Civil geometria", merecia ser esculpida, trabalhada, inseminada de óvulos férteis a ponto de engravidá-la ao extremo, a ponto de o signo lingüístico não caber em si. Habita em "Rosa de Pedra" o singelo. O leve e o pesado de Ítalo Calvino.

'Rosa de Pedra', antes de deixar entrever o "modus" mamediano de poetar, deixa entrever por suas pétalas ásperas e macias o que daria mote a seu percurso temático adensado nas obras posteriores.

E por isso rosa. E por isso pedra. A obra posterior é o esculpir da pedra. O talhar da rosa.

Outras obras

Além das obras já referidas, Zila ainda lançou-se na tarefa de organizar a gigantesca leva de informações acerca da obra de Câmara Cascudo. O resultado foi três tomos intitulados "Luís da Câmara Cascudo - 50 anos de vida intelectual", publicado pela Fundação José Augusto em 1970.

No mais, a sua poesia é bela. Bela e singela. Obra mestra. Lírica organizada. Correspondendo, por assim dizer, ao seu ofício enquanto bibliotecária. Sua obra é um risco firme, "como se, definitivamente segura da sua vocação poética, ela traçasse o rumo a seguir e fosse, na medida em que as necessidades o exigissem modificando roteiros, o que se torna bastante visível na evolução que o seu verso conhece, por exemplo, desde a influência da 'Geração de 45' até o despojamento, a simplicidade e, sobretudo, a objetividade que são as marcas da influência de João Cabral de Melo Neto e, por fim, a corajosa retomada da emoção" (Tarcísio Gurgel). Rosa de Pedra, portanto.



* Este Texto foi publicado no caderno Domingo, do Jornal De Fato, em 14 de dezembro de 2009.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Numa catástrofe, quais livros salvaríamos de nossas bibliotecas pessoais?

Varlam Chalámov, contador de histórias

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho