A carroça, o bonde e o poeta modernista

Por Pedro Fernandes



(Anotações sobre "A carroça, o bonde e o poeta modernista", de Roberto Schwarz)


1.No ensaio "A carroça, o bonde e o poeta modernista" Roberto Schwarz discute a partir da poética de Oswald de Andrade – mais especificamente o poema oswaldino "Pobre alimária" – acerca do poeta e da poesia modernista no Brasil. Alude o autor à conciliação de três elementos característicos na poesia de Oswald: uma fórmula fácil e eficaz para ver o Brasil pelas janelas do poema; o ser poeta sem o esteticismo apregoado pelos poetas doutras escolas literárias semelhante ao modo leninista de fazer política – “o Estado uma vez revolucionado, se poderia administrar com os conhecimentos de uma cozinheira”; o uso de um reduzido vocabulário – reduzido, no sentido de ser comum a todos – o qual Schwarz compara à poética de Bertolt Brecht que se dispunha a redução vocabular do Basic English

2. Para o autor, somam a isso na poesia de Oswald, uma fórmula de duas operações: a justaposição de elementos próprios ao Brasil-Colônia e ao Brasil burguês, e a elevação do produto à dignidade de alegoria do país. Elementos estes que, nos utilizando do pensamento de Adorno, apontam para um movimento de tensão no interior do poema. Isto é, o pensamento de Schwarz parece ir de encontro a essa concepção, por ter no poema a visão dum espaço em que se apresentam uma dada realidade em choque com outra. Noutras palavras, vê o autor, a poesia modernista como espaço de confluências do tradicional com o moderno. Essa dualidade, no entanto, obedece à própria realidade sociológica que não parava de colocar lado a lado os traços burguês e pré-burguês. 

3. Enquanto representante desse movimento, Oswald – pela irreverência e liberdade apresentadas em seu poema, que mais o poderiam levar a ser visto como piadista – adquire o caráter de inovador, justamente, porque soube, no interior do poema, associar esses pólos à primeira vista dissonantes e, não apenas isso, traz o poeta outro elemento importante para a poesia dessa época de então: que é o de fazer do poema enquanto espaço cônscio do social, levando-nos a associar esse observação do Schwarz ao pensamento de José Belchior, cujo qual, todo a lírica contemporânea – e isso não exclui, é lógico, o poema – tende essa abertura para o social. E isso será muito bem visto neste ensaio quando Schwarz debruça-se na leitura do poema "Pobre alimária". 

4. Reside nesse poema elementos simples numa linguagem também simples, ao mesmo tempo em que uma tensão: convivem e passam pela mesma janela do poema o tradicional e o moderno, citem-se o cavalo, a carroça e o carroceiro, o bonde, os advogados e os escritórios, que Schwarz ler como mundos, tempos e classes sociais contrastantes, postos em oposição. 

5. Longe de constituirmos uma ampla visão crítica para as reflexões apresentadas neste ensaio, o que a visão do ensaísta parece nos dá é a de que a poesia e o poeta modernista apresentam em si um certo antagonismo, em que a realidade apreendida pelo poeta é antitética, constituindo o poema num espaço para um movimento dialético perene, cuja a liberdade de escrita, dada por poema duma linguagem e duma estrutura simples, associada a tensão entre o tradicional e o moderno – tudo isso num fundo cônscio do poema enquanto espaço que se abre para o social, compõe a estética do poema modernista. Ou seja, não representa a poética moderna uma ruptura com o tradicional, antes a incorporação de novos traços que tomam a constituir uma nova feição. Metaforicamente, à carroça soma-se o bonde, igual a poesia modernista.

6. O poema de Oswald de Andrade

Pobre alimária

O cavalo e a carroça
Estavam atravancados no trilho
E como o motorneiro se impacientasse
Porque levava os advogados para os escritórios
Desatravancaram o veículo
E o animal disparou
Mas o lesto carroceiro
Trepou na boleia
E castigou o fugitivo atrelado
Com um grandioso chicote


* "A carroça, o bonde e o poeta modernista" está em Que horas são? (Companhia das Letras, 1999), p. 11-28.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #325