Pedro Bandeira, do contato que tive

Por Pedro Fernandes

1. No ano de 2007, paralelo a Bienal do Livro em Fortaleza (CE) houve em Aracati (interior do estado), cidade conhecida pelo rico patrimônio histórico, cultural e literário e pelas belezas naturais da Praia de Canoa Quebrada, uma edição do que na época se chamou de Festa do Livro de Aracati. No ano subsequente, ao que me parece, o encontro não foi mais realizado. Uma pena.

2. Foi na ocasião de 2007 que fiz minha primeira viagem a dita cidade e também meu contato fora do Rio Grande do Norte com esse tipo de evento. Até então só participara da Feira do Livro de Mossoró. Tive ainda o privilégio de me hospedar na casa da mãe do professor e poeta Leontino Filho, onde fui muito bem recebido e tive, posso dizer, dias de excelentes.

3. Pela ocasião do evento tive o privilégio de assistir a palestra do escritor infanto-juvenil, sem querer por rótulos e ao mesmo tempo já rotulando, Pedro Bandeira, febre nacional entre os adolescentes por reunir no corpo de seus textos problemáticas e temas comuns a essa faixa etária.

4. Lembrei-me, enquanto, ele falava de um de seus livros mais editados, A droga da obediência, que já, na minha adolescência, tivera a oportunidade de lê-lo na biblioteca de minha escola numa época em que ainda se conservava certo acervo bibliográfico nas escolas públicas.

5. Deixo a lembrança aqui registrada daquela magnânima tarde, em que eu infiltrado no meio de tantos adolescentes, adolesci com eles pela capacidade genial de comunicação do escritor. Pedro Bandeira, isto percebi, não é apenas um grande comunicador pela escrita, pessoalmente também incorpora o que o público para o qual escreve espera e sabe segurá-lo.

6. Do encontro deixo as fotos a seguir (de baixa resolução porque feito num desses celulares simples); o autógrafo na agenda guardo com muito carinho nos meus pertences.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

José Saramago e As intermitências da morte

Visões de Joseph Conrad

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

A melhor maneira de conhecer o ser humano é viajar a Marte (com Ray Bradbury)

Os diários de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #246