Piaf - um hino ao amor, de Olivier Dahan

Por Pedro Fernandes




Piaf - um hino ao amor é a cinebiografia da cantora francesa Edith Piaf (1915-1963). A narrativa cobre da infância, marcada pela mãe ausente, a adoção temporária por prostitutas e a relação com o pai difícil e autoritário,  até o início, o auge e o declínio da aplaudida carreira. Sim, Piaf teve uma vida para merecer uma obra como a produzida por Olivier Dahan. No fundo, toda existência poderia dar num filme (para glosar da frase de Mallarmé de que toda vida é um livro). Mas, todos hão de convir que existências cujo relevo se sobrepõe sobre as existências comuns. Pelas breves linhas que traçam uma sinopse de Piaf vê-se que sua vida preenche uma linha no rol das que estão em relevo.

Um dos triunfos do longa é a narrativa não-linear: contar os eventos da vida de Piaf sem seguir uma ordem cronológica, como se trazida pelo movimento da memória de alguém que conta, trazendo episódios do passado como instantes de iluminação sobre o presente do narrado, é uma estratégia brilhante para, primeiro, não perder as diversas fases de uma vida tão intensa como a retratada, e, segundo, conseguir condensar da melhor maneira possível uma existência num curto espaço de horas. Só isso (que não é um recurso novo, mas é bem utilizado pelo diretor) faz a grandiosidade do filme.

É também esse ir e vir de temporalidades que dão ao espectador a capacidade de compreender certas curiosidades sobre a vida de Piaf, como por exemplo, esse nome, por que adotou o nome de Piaf, ou como compôs canções clássicas como "La vie en rose" ou ainda por que, na primeira fase de sua obra, circula tanto o tema do desamor, da miséria das ruas e da falta de afeto.Se às vezes algumas cenas parecem um tanto quanto deslocadas, no geral o resultado é um trabalho poético e impactante.

Mas, não é só o enredo. Há a atuação magnética de Marion Cotillard, que a faz a intérprete adulta, e as canções que pontuam o filme que vão costurando os distintos eventos da trajetória da artista e sua personalidade; Cotillard ultrapassa e muito figurões como o Gérard Depardieu, quem está também no elenco. E por essa personagem, a atriz construiu uma série de linhas no seu currículo com premiações como o Globo de Ouro e o Bafta.

A seguir, um dos raros momentos da cantora francesa, em "Non, je ne regrette rien"



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

José Saramago e As intermitências da morte

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Visões de Joseph Conrad

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

Os diários de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #246