Par perfeito, de Robert Luketic

Por Pedro Fernandes

O casal enche os olhos deles e delas, mas o filme é muito ruim.

Só mais uma história de amor. Básica. Jen (Katherine Heigl), conhece o homem perfeito, Spencer (Ashton Kutcher). Ele bonitão, educado e inteligente. O cenário em que se dá o encontro: Nice, paraíso francês. O que Jen não sabe é que Spencer ganha a vida como matador de aluguel.

E se o sonho dele é escapar dessa vida sossegada e o dela sair dessa vida sossegada e, fazendo jus a máxima de que os opostos se atraem, eles findam se casando. O casamento dos sonhos até que em uma manhã, quando se dá início um roteiro de perseguição: o casal descobre que é alvo de um golpe milionário. O filme que parecia findar por aí com os pombinhos felizes, torna-se de num labirinto muito mal armado (é bom que se diga) em que a vida dos dois acaba por se transformar num jogo de vida ou morte.

E finda aí. A nível de enredo não devemos negar que Robert Luketic ensaia bem sair da rotina das comédias românticas. E sai. Compõem um misto de romance, com ação e suspense. Mas não faz nada demais. O filme acaba por se transformar numa monotonia que só é quebrada pelas constantes entradas da mãe de Jen - sempre em alto grau de embriaguez. Mas é só. Vai este para o rol daqueles filmes a quem chamo de não entram para alguns filmes brilhantes, mas carecem de um comentário.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Boletim Letras 360º #268