Karatê Kid, de Harald Zwart

Por Pedro Fernandes


Gosto daqueles filmes que, a princípio não aposto muita coisa e entro no cinema totalmente desacreditado de ser "o filme" e depois, com o andar da trama, a opinião minha se reverte a ponto de dizer, no fim de tudo, que valeu a pena. Isso, devo dizer, não se repete com frequência. São raros os momentos. A surpresa desse ano me foi, então, Karatê Kid. A releitura do filme de 1984 não deve ser totalmente preso a ideia de releitura; pela curta memória minha, vejo na versão atual uma leva de fatores que fazem desse o filme um filme com identidade própria em relação a primeira versão.

Um dos fatores é, sem dúvida a atuação de Jaden Smith, filho do astro Will Smith. Pode ser que Jaden não tenha o talento do pai - e seria até absurdo fazer uma relação desse tipo - mas o fato é que Jaden incorpora e bem a sua personagem, a ponto de imprimir no rosto de alguns desavisados alguma lágrima furtiva.

Outro fator será a trilha sonora. Eles conseguem dá um tom outro a comercial Lady Gaga e Bieber, imprimindo uma marca juvenil ao filme.

A incongruência vai está no título do filme, que preza o karatê quando na verdade o tom é o kunk fu, mas a inserção de um estadunidense da gema (Dre Parker - a personagem de Jaden - é de Detroit) se vendo entre o universo oriental talvez seja a congruência - em colocar frente a frente duas culturas opostas, mas que não prevalece nenhuma.

A trama de Karatê Kid é, antes a história de uma superação: Dre Parker tem 12 anos e devido a carreira de sua mãe acaba indo morar na China; estando só num mundo que é outro, a abertura de Dre se dá logo para o feminino, e ele se apaixona pela sua colega de classe Mei Yin. A amizade dois será o suficiente para a inimizade com os outros colegas que o fazem de gato e sapato na escola em que estuda. Será o misterioso e recatado zelador do seu prédio, Mr. Han, que é secretamente foi um mestre do kung fu quem irá acompanhá-lo nesse trajeto de recuperação de Dre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira