Eu nasci assim, eu cresci assim

Jorge Amado trabalhando no romance Gabriela, cravo e canela enquanto Carlos Scliar faz seu retrato. Fonte: Cia das Letras


Não foi o primeiro romance de Jorge Amado, mas é talvez o mais conhecido entre os leitores. Na verdade, nem sempre os primeiros livros são os que fazem sucesso. Foi sim o primeiro livro escrito depois que o romancista deixou o Partido Comunista e é tido pela crítica como um texto que inaugura na sua obra uma nova fase. 

Não é mais o conteúdo abertamente político que se lê nos primeiros livros o que se encontra agora, mas temas voltados à formação racial brasileira, o universo dos jagunços, coronéis, prostitutas e trambiqueiros, todos ansiando progressos numa região que oferece a eles esse sentido. Está no centro a sensualidade e o erotismo das personagens femininas, a folia, o sexo fácil. O espaço privilegiado para a trama não é mais o urbano de Salvador, mas a região de Ilhéus, que com o auge do cacau tem uma intensa vida noturna entre bares e cabarés. 

O romance, como uma crônica de costumes,  situa o leitor diante da pulsante vida social de outra Bahia, a dos anos 1920. Fora esses detalhes, a obra não se caracteriza por nada mais que um traçado sexual e amoroso de Gabriela. 

Gabriela, a personagem que nomeia o livro Gabriela, cravo e canela, é uma mulher vinda do agreste para Ilhéus, como retirante. O árabe Nacib é quem a leva ao mercado dos escravos,  o lugar para onde vão acampar todos os retirantes que chegam à cidade, indo prestar favores de cozinha no bar Vesúvio. Como Gabriela toda transpira sensualidade num ferormônio à cravo, não tardará que todos os homens da redondeza se sintam atraídos por ela. 

Por ser seu "achado" e sentido-se na obrigação de preservá-la como sua, Nacib, tomado de ciúmes pela moça, decide por casar-se com ela. Suas obrigações agora serão outras, cuidar de casa e cozinha apenas do árabe. É quando Gabriela, sentindo-se presa, compõe os casos amorosos. Mas, mesmo sendo flagrada na cama com um tal de Tonico Bastos e tendo o casamento anulado, Nacib insiste em tê-la cozinheira e prestadora de seus serviços sexuais.

Gabriela por Di Cavalcanti. Ilustração composta para a primeira edição do romance de Jorge Amado


O livro, que foi concluído em Petrópolis, no Rio de Janeiro, em 1958, e teve sua primeira edição lançada pela Martins Editora, de São Paulo, com ilustrações de Di Cavalcanti. Nas duas primeiras semanas do lançamento, a obra já havia alcançado a marca dos 20 mil exemplares vendidos e alcançou uma 6ª edição ainda no ano de publicação, com 50 mil livros comercializados. No ano seguinte, levou cinco prêmios literários, entre eles o Prêmio Machado de Assis e o Prêmio Jabuti e em 1961, foi marca responsável, certamente, por conduzir Jorge Amado a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras. Gabriela está traduzido em mais trinta línguas e é o livro de Jorge com maior número de traduções.

Teve sua primeira adaptação para a TV, também em 1961, como novela para a TV Tupi; em 1975, também como novela, foi readaptada para a TV Globo. Foi nela, que Sônia Braga popularizou a personagem a ponto de revivê-la no cinema, em 1983, num filme de Bruno Barreto. Já tema de dança, artes plásticas, teatro, o romance recebe agora em 2012, pelo centenário do seu autor, mais uma adaptação para a TV: dessa vez como minissérie, cuja adaptação coube a Walcyr Carrasco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #324

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Boletim Letras 360º #325

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão