Os 120 anos de Graciliano Ramos





Já notificamos na nossa página no Facebook tem algumas semanas que o autor de Vidas secas será o grande homenageado da Festa Literária Internacional de Paraty - FLIP em 2013.

Próximo dia 27 de outubro entramos nos 120 anos de Graciliano Ramos que já, a partir de amanhã, terá uma programação que deve se estender durante todo o ano seguinte. Estão nos planos dos organizadores para agora o lançamento de um livro com mais de 80 textos inéditos do escritor, batizado por Garranchos e a sair pela editora Record, que publica seus trabalhos já há algum tempo. A coletânea é organizada por Thiago Mio Salla e traz crônicas, textos de crítica literária, epigramas e discursos políticos produzidos ao longo de 40 anos da vida do autor. O lançamento ocorre amanhã, dia 23 de outubro, na sede do Museu de Arte de São Paulo - MASP, na abertura de um seminário promovido pela editora Record.

Outro lançamento que também ocorrerá amanhã é promovido pela editora Boitempo. Uma nova versão revista e ampliada da biografia O velho Graça, originalmente publicada há 20 anos pelo professor de Literatura Dênis de Moraes. Como bônus, o livro traz uma rara entrevista do escritor ao jornalista Newton Rodrigues, publicada numa única vez, em 1944, na extinta revista carioca Renovação e reproduzida depois no caderno de cultura do Estadão, o Sabático.

Além dos dois lançamentos, a Record lança uma caixa com quatro romances de Graciliano Ramos publicados entre 1933 e 1938: Caetés, São Bernardo, Angústia e Vidas secas.

O seminário que tem início amanhã no MASP intitula-se "A cosmogonia de Graciliano - as forças que animam a obra do escritor", e conta com Nuno Ramos, Vander Melo Miranda e mediação de Manuel da Costa Pinto. A programação se estende a Belo Horizonte, no dia 24, no Teatro José Aparecido de Oliveira, com Luiz Ruffato, Benjamim Abdalla Júnior e mediação de Guiomar Grammond. Depois, vem para o Recife, nos dias 29 e 30 de outubro, na Academia Pernambucana de Letras, com Ronaldo Correia de Brito, Lourival Holanda, Alcides Vilaça, Raimundo Carrero e mediação de Mario Hélio.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

História da menina perdida, de Elena Ferrante

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter