Boletim Letras 360º #575

 
 
DO EDITOR
 
Olá, leitores! Vocês continuaram a conhecer os novos autores que agora publicam no Letras a partir deste ano; saíram os textos de estreia de Henrique Ruy S. Santos e Eduardo Galeno. Estejam atentos que virão outros nomes na semana seguinte.
 
Os estreantes que começaram a publicar por aqui desde a semana anterior foram os selecionados na chamada divulgada no início de 2024. Mas, se você tem interesse em publicar seu texto no blog, saiba que isso pode acontecer sem que seja um colunista. Conheça os interesses editoriais desta página, como organizar e enviar o seu texto, por aqui.
 
Agradecemos sua companhia. Um excelente final de semana!




 
LANÇAMENTOS
 
Um Graciliano Ramos desconhecido do grande público. Os relatórios de quando foi prefeito de Palmeira dos Índios, pequena cidade do estado de Alagoas, ganham edição em livro.
 
“Evitei emaranhar-me em teias de aranha”, registrou Graciliano Ramos em um dos relatórios dirigidos ao governador do estado de Alagoas, datado de 1929. Em O prefeito escritor: dois retratos de uma administração, temos um vislumbre do futuro escritor ainda na época em que era político emergente. De janeiro de 1928, quando tomou posse do cargo, até abril de 1930, Graciliano esteve à frente da administração municipal, combatendo o desperdício de verbas, a ineficiência e o patrimonialismo, extinguindo superfaturamentos, terminando obras deixadas pela metade e zelando, com afinco, pela qualidade de vida de seus habitantes. Os dois relatórios anuais que fez ao governador do estado, o de 1929 e o de 1930, são agora publicados pela primeira vez em um volume independente. Neles Graciliano se revela um homem público exemplar. É um testemunho dos atributos que todo político que se preze deveria ter: a seriedade com suas responsabilidades advindas do cargo, o caráter íntegro e honrado, a sede por combater maus hábitos que assolam nossa política. Suas prestações anuais de contas impressionaram já na época em que foram escritas, circulando para além das fronteiras da cidade e chegando a outros pontos do país. Foi graças a essa espécie de boca a boca que o Graciliano Ramos escritor se tornou conhecido. Augusto Frederico Schmidt, o influente empresário, poeta e editor carioca, reconheceu imediatamente que alguém capaz de escrever textos tão sóbrios, mas, ao mesmo tempo, dotados de originalidade e humor, deveria ter um romance guardado. A intuição provou-se correta. Assim nasceu Caetés, que viria a ser o primeiro romance do autor. O prefeito escritor é, portanto, obra imprescindível para aqueles que desejam conhecer este outro Graciliano e refletir sobre as mazelas da nossa política. O presidente Lula, no prefácio que assinou para esta edição, diz: “o Graciliano Ramos que emerge destas páginas é o gestor público empenhado em manter a responsabilidade fiscal, mas ao mesmo tempo cuidar de toda a população, sobretudo dos mais pobres. [...] Ou seja, a obra-prima do prefeito Graciliano Ramos foi colocar os pobres no orçamento e os ricos no imposto de renda.” Publicação da editora Record. Você pode comprar o livro aqui.
 
Coletânea de ensaios revela a faceta de leitor Afonso Cruz.
 
Em O vício dos livros estão relatos históricos, curiosidades literárias, reflexões e memórias pessoais, sempre com a leitura como centro. Kafka, os gregos, Mario Quintana, um leitor presidiário, poetas árabes, o próprio avô ― através do diálogo com diversas obras, diferentes escritores e também com leitores. Eis uma celebração que sai pela editora Dublinense. Você pode comprar o livro aqui.
 
Uma nova tradução e edição especial do ensaio de Joseph Brodsky sobre Veneza.
 
Pouco mais de cem páginas, mas de altíssimo peso específico. O peso da água, talvez, do qual Marca d’água parece tecer o elogio. Um livro que também parece imitar a forma da água, ou melhor, sua ausência de forma, se é verdade que ela “desdenha a noção de forma”. E qual cidade terrena se assemelha mais à água do que Veneza? As vielas, o seu emaranhado de becos, tornam-se uma oportunidade para Joseph Brodsky reproduzir sua topografia: dobras, rugas e ondulações da água se misturam assim à alma desta cidade que nunca aponta uma direção, mas sempre e apenas oferece “vias transversais”. Água como imagem do tempo, Veneza como figura da desorientação, recipiente de espelhos e reflexos entre os quais, de modo fugaz, aparece também o do poeta. Por dezessete invernos, Brodsky voltou a esta cidade, respondendo ao chamado de suas ruas feitas de água; por dezessete invernos aqui ele se perdeu e se enganou; seu libelo é uma sucessão de sensações e imagens poderosas que envolvem e cercam o leitor como um “tufo de gélidas algas marinhas”, voltando à memória como um sonho recorrente, do qual ele mal se lembra dos contornos. A edição especial e ricamente ilustrada com vinte e sete fotografias de Giovanna Silva, inclui textos de Sara Marini, Emanuele Trevi, Chiara Valeri e Fleur Jaeggy; a tradução é de Odorico Leal e o livro sai pela editora Âyiné. Você pode comprar o livro aqui.
 
Até que ponto a vida de alguém não é uma repetição disfarçada do destino de seus antepassados? Novo romance de Tércia Montenegro reflete sobre os enlaces que constituem o abismo da genealogia de uma família.
 
Na superfície, Thalia é uma mulher feliz e bem-sucedida. Incansável, divide seu tempo entre dar aulas de literatura em colégios particulares e atuar nas peças de uma companhia de teatro. Sua trajetória é abalada quando, durante a encenação de uma peça, ela pensa ver, debaixo das luzes do palco, o rosto do irmão falecido. A visão traz à tona uma série de traumas reprimidos e serve de ponto de partida para uma viagem pela história de seus pais e avós. Ao se lançar no abismo da genealogia de uma família, a autora cearense Tércia Montenegro reflete sobre os enlaces que a constituem, e como um prego no espelho — algo que se fixa numa superfície volátil — tenta capturar uma imagem que parece sempre escapar aos personagens deste livro. Um romance singular, impactante e altamente literário, em que a memória se apresenta como um centro gravitacional incontornável, que insiste a todo momento em arrastar pais e filhos de volta ao mesmo conjunto de medos, mistérios e frustrações. Um prego no espelho sai pela Companhia das Letras. Você pode comprar o livro aqui.
 
Um convite à observação do mundo das artes a fim de desmascarar as aparências com um olhar desafiador que oferece resistência e desobediência à postura pública.
 
Partindo de aforismos, correspondências e ensaios sobre escrita e literatura nos tempos modernos, a argentina radicada na França Ariana Harwicz investiga, nesta obra de não ficção, os padrões duplos e a natureza enganosa que por vezes circundam a criação artística na atualidade. Com forte cunho pessoal, O ruído de uma época é um convite à observação do mundo das artes a fim de desmascarar as aparências com um olhar desafiador que oferece resistência e desobediência à postura pública. Mas é também, assim como os romances da escritora, uma defesa corajosa da liberdade pessoal e artística. Comparada a Virginia Woolf, Sylvia Plath, Clarice Lispector e Nathalie Sarraute, Harwicz tem se firmado como uma das figuras mais radicais da literatura contemporânea. Neste livro, ela lança ao leitor importantes reflexões para que, de alguma forma, ele também participe do que está sendo debatido, concordando ou não com as ponderações propostas. Afinal, não há nada mais crucial nos dias de hoje do que uma leitura que nos faça refletir. O livro sai pela editora Instante com tradução de Silvia Massimini Felix. Você pode comprar o livro aqui.
 
Com tradução de Júlia Manacorda e posfácio de Liana Ferraz, sai uma das mais reverenciadas obras de poesia do último maldito da literatura.
 
Charles Bukowski, o importante ícone da contracultura norte-americana e um dos mais notáveis poetas contemporâneos, escreveu milhares de poemas durante a carreira, e nesta coletânea, dividida em quatro partes, reúne os mais simbólicos textos sobre amor. Com sua escrita irreverente e estilo minimalista, tece versos ao mesmo tempo simples e pungentes. Neste livro é revelada a face de um Bukowski que conhece muito além da boemia, e que se aventurou pelo sentimento mais enigmático da existência humana, explorando as nuances, os limites, os mistérios e, por fim, a nossa incapacidade de passar pela vida sem amar. O amor é um cão dos infernos é publicado pela HarperCollins Brasil. Você pode comprar o livro aqui.
 
Uma visita à história da Palestina, o território que começou a desaparecer desde a aurora do sionismo.
 
Em março de 1899, Yusuf Diya al-Khalidi, deputado e ex-prefeito de Jerusalém, enviou uma carta alarmada a Theodor Herzl, considerado o pai do sionismo moderno. Na carta, argumentava que, quaisquer que fossem os méritos do movimento sionista, as “forças brutais das circunstâncias tinham que ser consideradas”, pois o povo palestino nunca aceitaria de bom grado ser suplantado. Ao alertar para os perigos futuros, ele concluía sua nota com um apelo sincero: “em nome de Deus, deixem a Palestina em paz”. Assim, Rashid Khalidi, o principal historiador americano sobre o Oriente Médio, inicia o seu relato sobre a guerra secular na Palestina. Com uma narrativa clara e equilibrada, Khalidi subverte as interpretações aceitas do conflito, que tendem, na melhor das hipóteses, a descrevê-lo como um confronto trágico entre dois povos que reivindicam o mesmo território. Para tanto, retraça os mais de cem anos da guerra, encampada primeiro pelo movimento sionista e depois por Israel, mas também com o apoio de grandes potências. Guiando os leitores pelos episódios-chave da campanha colonial, como a Declaração Balfour de 1917 e os confrontos de 1948 e 1967, o autor se vale de pesquisas de arquivo, material de familiares e das próprias experiências para revelar o pano de fundo histórico que enquadra os acontecimentos atuais, explicando dinâmicas subjacentes cruciais para uma compreensão adequada do presente. Palestina: um século de guerra e resistência (1917-2017) sai pela Todavia; tradução de Rogério W. Galindo. Você pode comprar o livro aqui.
 
REEDIÇÕES
 
A edição do principal romance de Graciliano Ramos pela editora Todavia.
 
Vidas secas, publicado em 1938, é o quarto romance de Graciliano Ramos. Concebido inicialmente como contos avulsos, que o autor vendia a conta-gotas para pagar a pensão na qual vivia com a mulher e duas filhas pequenas, este livro se tornou não apenas um dos grandes da literatura brasileira, mas também o maior sucesso editorial do escritor. Graças à sua vitalidade narrativa, à sua dolorosa atualidade e ao seu retrato expressivo e descarnado da gente do sertão, este livro ocupa um lugar de proeminência entre os clássicos da nossa literatura. Esta nova edição restaura — com um criterioso trabalho de pesquisa — a versão mais fidedigna do texto, tal qual concebido pelo autor, permitindo ainda conhecer de perto seu laboratório de criação e o perfeccionismo ímpar que marca seu estilo. Em continuidade à Coleção Graciliano Ramos na Todavia, com organização do professor da USP e especialista Thiago Mio Salla, este volume conta ainda com um posfácio de Antonio Candido inédito em livro e inclui uma seção dedicada às diferenças textuais existentes entre as várias fases de concepção da obra. Para este volume, que condensa um esforço editorial inédito, foram cotejadas doze versões da narrativa de modo a confirmar qual delas melhor representaria a última vontade do romancista. Uma edição fundamental para todo leitor que deseja se aproximar de Vidas secas — e lê-lo em sua renovada plenitude de clássico brasileiro. Você pode comprar o livro aqui.
 
A Nova Fronteira reedita A casa soturna, de Charles Dickens, em dois volumes.
 
Publicado em fascículos entre 1852 e 1853 e considerado pela crítica o romance mais perfeito de Charles Dickens, A casa soturna traz à luz questões fundamentais de vida e sociedade, pondo em xeque o sistema judiciário inglês do século XIX. Enquanto o caso “Jarndyce e Jarndyce” se arrasta nos tribunais, gerações das famílias envolvidas vão herdando “ódios lendários” na tentativa de resolver a disputa em torno de uma propriedade. Traçando um percurso das zonas mais pobres de Londres às mansões da nobreza, Dickens elabora uma narrativa que envolve mistério, assassinato, redenção e até a descoberta do amor ao mesmo tempo que, com uma perspicácia bem-humorada, critica as estruturas sociais e a morosidade da justiça. Esta edição, dividida em dois volumes, atualiza a clássica tradução de Oscar Mendes e conta com prefácio especial de Sandra Guardini Vasconcelos. Você pode comprar o livro aqui.
 
RAPIDINHAS
 
Mais ensaios contemporâneos 1. E sobre o inesgotável contemporâneo e seus temas. A Carambaia tem agora uma linha editorial com esse interesse.
 
Mais ensaios contemporâneos 2. Sai em breve: Esquizofrenias reunidas, de Esmé Weijun Wang — o primeiro título da leva; Diário de uma invasão, de Andrei Kurkov; e Doppelgänger, de Naomi Klein.
 
Bartolomeu Campos de Queirós, 80 anos. A Global Editora prepara uma série de publicações para assinalar a data especial do autor de Vermelho amargo. Entre as novidades estão as reedições de Sei por ouvir dizer (Prêmio Jabuti 2009) e Correspondência (1986) e uma edição em livro de A ararinha-azul.
 
Cacaso, o músico. O jornalista e escritor mineiro Renato Vieira idealiza um disco com gravações inéditas colhidas no cancioneiro do também poeta mineiro. A iniciativa marca o curso dos (também) 80 anos de Cacaso, que nasceu a 13 de março de 1944.
 
Um dicionário para Florbela. Sai pelo selo Pedro & João Editores (no Brasil) e pelas Edições Esgotadas (em Portugal) o Dicionário de Florbela Espanca. A publicação organizada por Maria Lúcia Dal Farra, Jonas Leite e Fabio Mario da Silva reúne mais de 180 verbetes que definem o universo da poeta portuguesa.

DICAS DE LEITURA
 
Na aquisição de qualquer um dos livros pelos links ofertados neste boletim, você tem desconto e ainda ajuda a manter o Letras.
 
1. Os dias perfeitos, de Jacobo Bergareche (Trad. Marina Waquil, Mundaréu, 160 p.) Um romance que reinventa o dilema do amor proibido a partir das cartas entre William Faulkner e sua amante Meta Carpenter. Você pode comprar o livro aqui.
 
2. Madona dos Páramos, de Ricardo Guilherme Dicke (Record, 518 p.) A história de doze foragidos pelo interior do sertão do centro-oeste brasileira em busca da Figueira-Mãe, onde os aguardariam o bem-estar e a justiça. Um monumento à literatura que zela pelo cada vez mais essencial princípio da linguagem. Você pode comprar o livro aqui
 
3. A escola da carne, de Yukio Mishima (Trad. Jefferson José Teixeira, Estação Liberdade, 256 p.) Três japonesas de diferentes classes sociais divorciadas depois da Segunda Guerra Mundial encontram-se para comentar suas vidas e aventuras amorosas num romance que compõe um painel original de um país em abertura para o Ocidente e ainda marcado pelos impasses desse choque cultural. Você pode comprar o livro aqui.
 
VÍDEOS, VERSOS E OUTRAS PROSAS
 
O Instituto Moreira Salles (IMS) inaugurou um website sobre a vida e a obra de Carolina Maria de Jesus. O espaço reúne diversas informações sobre a trajetória e a produção literária da escritora mineira: Biografia, Obras, Arquivo Vivo e Encontros. A pesquisa e o projeto são da professora e pesquisadora Fernanda Miranda, e seu desenvolvimento contou com a colaboração de Jane Leite, da equipe de Literatura do IMS. O acervo de Literatura da instituição tem sob seus cuidados dois manuscritos de Carolina Maria de Jesus – intitulados “Um Brasil para os Brasileiros” — e seu disco com composições próprias, também chamado Quarto de despejo, título homônimo aos diários que a fizeram reconhecida. Acessa aqui
 
BAÚ DE LETRAS
 
Ainda na superfície do baú. No dia das celebrações pelos 80 anos de Cacaso, publicamos aqui um breve perfil do multiartista da geração da poesia marginal assinado por Pedro Fernandes.
 
Em março de 2024, o blog publicou esta matéria de Pedro Fernandes acerca das aparições em vídeo da escritora Carolina Maria de Jesus.  

Entre os textos que integraram um especial acerca de Graciliano Ramos organizado por este blog, este de Vera Romariz discorre acerca dos relatórios do escritor alagoano agora publicados pela primeira vez em livro.

DUAS PALAVRINHAS
 
Procurei sempre os caminhos mais curtos. Nas estradas que se abriram só há curvas onde as retas foram inteiramente impossíveis.

— Graciliano Ramos, nos relatórios de prefeito enviado ao governador de Alagoas.

...
CLIQUE AQUI E SAIBA COMO COLABORAR COM A MANUTENÇÃO DESTE ESPAÇO
Siga o Letras no FacebookTwitterTumblrInstagramFlipboardTelegram

* Todas as informações sobre lançamentos de livros aqui divulgadas são as oferecidas pelas editoras na abertura das pré-vendas e o conteúdo, portanto, de responsabilidade das referidas casas.

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #579

Boletim Letras 360º #573

A bíblia, Péter Nádas

Boletim Letras 360º #574

Confissões de uma máscara, de Yukio Mishima

Palmeiras selvagens, de William Faulkner