Poema-conto de sonho-cabaré

Cabaré Santa-Fé. Foto: Paulo Abrantes

na tarde sombria que alarde
ouço por baixo dos panos sujos, ensebados
de suor e gozo
os gemidos frenéticos
vindos do quarto ao lado.

parece uma ladainha
cantada, gritada em latim vulgar
ou um grito rasgado de rito
de ave-maria barroca.

e mais tarde
sob o desvario frenético
da última trepa da noite
como açoite aos meus ouvidos
a sirene de uma ambulância
e de carros de polícia
cercam o casebre
debruçado na beira da estrada
solitária e vazia.

alguma coisa comia meu pensamento
entre o entra-e-sai de meu órgão copiosamente
inebriado no orvalho do sulco vaginal.

a prostituta vizinha
que gritava e gemia
encontra-se nua e estrangulada
no meu pensamento.

quando de súbito acordo e recordo
mentalmente de nada,
passou,
um sonho,
uma polução noturna.


* Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Companheiros de viagem: J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis: "O dom da amizade", de Colin Duriez

Os últimos dias de Thomas Mann

Boletim Letras 360º #287

“Andávamos sem nos procurar”, o filme de “O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar

O Estrangeiro, de Albert Camus

Não escrever: breve ensaio sobre a impossibilidade

Boletim Letras 360º #286

J. P. Donleavy: Um safado em Dublin

O Incêndio de This Is Us e Manchester à Beira-Mar na poesia brasileira