Camões, cantor de seu povo e voz de seu tempo

Cesse tudo o que a Musa antiga canta,
Que outro valor mais alto se alevanta

Camões lê Os Lusíadas. António Carneiro

Será difícil encontrar, em toda a história da literatura em língua portuguesa, um poeta tão magistral quanto Camões. Para que possamos conhecer melhor sua obra, preparamos esse dossiê dividido em duas partes. Veremos, em primeiro lugar, o que a crítica denomina poesia épica e, na sequência, seus poemas líricos.

Camões não foi o primeiro poeta a ter a ideia de escrever um poema épico sobre a expansão portuguesa – o humanista italiano Angelo Policiano já se havia oferecido a D João II para fazê-lo –, mas foi da sua pena que nasceram os inesquecíveis versos sobre as conquistas ultramarinas de Portugal.

O gênero épico, para os autores do Classicismo, traduzia-se de forma perfeita nas obras de Homero (Ilíada e Odisseia) e Virgílio (Eneida). O modelo não variava muito: esperava-se que o poema apresentasse uma disputa entre os deuses em relação ao comportamento humano; divididos, eles passavam a acompanhar o desdobramento de determinada ação humana (uma guerra, uma viagem marítima...), que apresentava uma unidade de conjunto e um desfecho. Era imperativo que o poema contasse com um herói para simbolizar a força e a determinação humanas.

Camões encontrou o que parece ser a solução perfeita para a contradição de elaborar uma epopeia em pleno Renascimento. Em lugar de um herói semidivino – incoerente com o espírito mercantilista e a exaltação das conquistas humanas –, construiu uma personagem – Vasco da Gama – que representa a grandeza de um povo. Nasce assim a epopeia pátria, cujas raízes podem ser traçadas nos textos do cronista Zurara.

Frontispício de uma das primeiras edições de Os Lusíadas


Os Lusíadas – obra prima do escritor português – trata-se de um poema dividido em 10 cantos que apresentam 1 102 estrofes e perfazem 8 816 versos. O título da obra trata-se de um neologismo inventado por André Resende, humanista português, para designar os portugueses descendentes de Luso – filho ou companheiro de deus Baco. Daí a obra abordar a história de Portugal – “a glória do navegador português” e a memória dos reis que “foram dilatando a Fé, o Império”.

A ação desenvolve-se em torno do herói declarado: o navegador Vasco da Gama. A leitura do poema, porém, obriga o leitor a reconsiderar a opção por um único herói e reconhecer que sobressai, em seu poema, a grandiosidade do povo lusitano, “a quem Netuno e Marte obedeceram”.

A crítica observa Os Lusíadas dotado de uma organização interna que permite a sua divisão em cinco partes: (a) proposição – que é a apresentação do poema, com a identificação do tema e do herói; (b) invocação – o eu-lírico pede as musas que lhe deem “um engenho ardente” e um “som alto e sublimado”, como manda a tradição clássica; (c) dedicatória – o eu-lírico dedica o poema a D Sebastião, rei de Portugal à época da publicação de Os Lusíadas; (d) narração – parte mais longa do poema, constitui a narrativa na qual é desenvolvido o tema, com o relato dos episódios da viagem de Vasco da Gama e com a reconstituição da história dos reis portugueses; (e) epílogo – encerramento do poema. Inicia-se com o pedido do eu-lírico as musas que lhe inspirem para que calem a voz de sua lira, pois encontra-se desiludido com uma pátria e um povo que já não considera merecedores das glórias de seu canto.

Camões lê Os Lusíadas (outra cena). António Carneiro.

Camões, em Os Lusíadas, faz um crítica – típica de seu tempo – à cobiça e à tirania no episódio do Velho do Restelo (canto IV – momento de partida das naus capitaneadas por Vasco da Gama).

Mas um velho, de aspeito venerando,
Que ficava nas praias, entre a gente,
Postos em nós os olhos, meneando
Três vezes a cabeça, descontente,
A voz pesada um pouco alevantada,
Que nós no mar ouvimos claramente,
Cum saber só de experiências feito,
Tais palavras tirou do experto peito:

– Ó glória de mandar, ó vã cobiça
Desta vaidade a quem chamamos Fama!
Ó fraudulento gosto, que se atiça
Cua aura popular, que honra se chama!
Que castigo tamanho e que justiça
Fazes no peito vão que muito te ama!
Que mortes, que perigos, que tromentas,
Que crueldades neles experimentas!

[...]

A que novos desastres determinas
De levar estes Reinos e esta gente?
Que perigos, que mortes lhes destinas,
Deba[i]xo dalgum nome preminente?
Que promessa de reinos e de minas
De ouro, que lhe farás tão facilmente?
Que famas lhe prometerás? Que histórias?
Que triunfos? Que palmas? Que vitórias?

Assim, ao mesmo temo que glorificou os feitos heroicos portugueses, o poeta criticou a sede desmedida de poder. Na verdade, as palavras do Velho parecem proféticos sinais do que ocorreria com Portugal em pouco tempo. A derrota de D Sebastião e seus nobres na batalha do Alcácer deixaria o país sem rei e isso faria com que Portugal perdesse sua soberania para a Coroa espanhola.

Ligações com Os Lusíadas

A obra provavelmente concluída em 1156 tem sido base para muitos textos da literatura depois de Luís de Camões, claro, além de servir de matéria à produção diversa de outras manifestações artísticas: das artes plásticas ao cinema, do teatro à poesia e o romance. Sem buscar se deter na leva de materiais, abaixo destacamos três textos (e suas sinopses) produzidos por nomes da envergadura do poeta português e que tomam por base Os Lusíadas.

1. Mensagem, de Fernando Pessoa

O único título publicado em vida é composto por 44 poemas e veio a lume em 1934 pela Parceria António Maria Pereira; no mesmo ano a obra foi ganhadora do Prêmio Antero de Quental, promovido pelo Secretariado Nacional de Informação. Fortemente vinculado ao Regime Ditatorial de Salazar, Fernando Pessoa recusou a honraria frustrando o interesse do regime de trazê-lo como moleta de apoio ao poder salazarista. O livro volta ao tema do passado glorioso português e busca compreender um sentido, tal como o discurso do Velho de Restelo, sobre os descobrimentos do antigo império. Apesar de ter passado para a posteridade como um discurso de exaltação à Pátria, essa compreensão carece de uma pequena revisão; o que pode ser exaltação pode ser também uma crítica à ruína vivida pelo país desde o período dos grandes feitos.

2. As naus, de António Lobo Antunes

Publicado em 1988, este é o sétimo romance do escritor português. Segundo o Dicionário da obra de António Lobo Antunes trata-se de um imaginoso encontro de tempos e de espaços. Uma quantidade de nomes importantes da cultura ibérica veem-se retornado a um Lisboa distante da que conheceram; entre o grupo está Luís de Camões, apresentado pelo epígono de Homem de Nome Luís. Cada uma das personalidades conta das suas vidas por terras africanas; é sabido que Camões iniciou sua carreira como poeta lírico e se envolveu em amores com mulheres da corte, enquanto levava uma vida boemia e turbulenta, o que, terá levado a autoexílio na África, alistado como militar, onde perdeu um olho em batalha. No retorno a Portugal foi preso e depois de ter a pena comutada foi para o Oriente, onde escreveu Os Lusíadas, obra publicada no retorno ao país. Ao recuperar vultos históricos como Camões, António Lobo Antunes "inverte o assaz mitificado e glorioso sentido dos descobrimentos portugueses, reescrevendo assim Os Lusíadas em modo paródico."

3. Que farei com este livro?, de José Saramago

Trata-se de uma peça de teatro em que se apresenta Luís de Camões regressado das Índias e tendo que negociar com a obtusa Inquisição e a medíocre corte de Lisboa a permissão para publicar Os Lusíadas. A peça foi escrita em 1980 para marcar as celebrações do quarto centenário do poeta português e foi representada pela primeira vez pelo Grupo de Campolide / Companhia de Teatro da Almada.

Ligações a esta post:
>>> Camões, cantor de seu povo e voz de seu tempo
>>> Camões, um gênio do lirismo amoroso (parte 1)
>>> Camões, um gênio do lirismo amoroso (parte 2)
>>> Camões, uma nova visão sobre o amor


* As ideias e expressões que compõem a primeira parte deste texto são exclusivamente de ABAURRE, Maria Luiza; PONTARRA, Marcela Nogueira; FADEL, Tatiana. Português:língua e literatura. São Paulo: Moderna, 2000.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas