Miacontear - Meia culpa, meia própria culpa

Por Pedro Fernandes
Ilustração de Alan Carline. Fonte: Blog coletivo De chaleira

Utilizando o tom confessional já impresso na máxima cristã (adaptada é verdade) que dá título ao conto, este texto de O fio das missangas é o relato de Maria Metade - "meios caminhos, meios desejos, meia saudade". A alcunha 'metade' traz impressa as trilhas de sujeito errante. Mesmo sendo "Metade", Maria não se conforma com essa situação que a realidade lhe impõe. E cria a outra metade da existência pelas vias do sonho - "Eu tinha a raça errada, a idade errada, a vida errada. Mas ficava no outro lado do passeio, a assistir o riso dos alheios. Ali passavam moças belas, brancas, mulatas algumas. Era lá que eu sonhava. Não sonhava ser feliz, que isso era demasiado em mim. Sonhava para me sentir longínqua, distante até do meu cheiro." ¹

Logo, o que essa personagem tem de diferente das personagens femininas que tivemos contato até agora nesse livro de contos é que esta não respeita a ordem imposta. Sonha e pelo sonha é capaz de fundar outros espaços subjetivos que se erguem em diferentes do espaço sensível que ocupa. Movida que foi pelas duas ordens existenciais, Maria Metade não se conformará com o "semimacho". Ao marido, Seis, possuidor que fora de seis amantes, todas atuais, Maria Metade que dele esteve grávida, mas abortou, nega-lhe a existência. Por esse motivo é presa. A cadeia, no entanto, antes de significar um espaço de redoma, de clausura, significa a ela uma ordem outra. É o espaço único em que não lhe é negada sua capacidade de sonhar. "Vantagem da prisão é que todo dia é domingo, toda a hora é de matiné das quatro. É só meu sonho dar um passo e eu já vou sentando minha privada tristeza no passeio público. Volto onde eu não amei, mas sonhei ser amada. É só um passo e eu atravesso o passeio público. E não mais precisarei invejar o sorvete, o riso, a risca no penteado" ²

Ainda é cedo, entretanto, para apontar na personagem um total liberdade frente ao potentado masculino. O período que esteve submissa ao marido e o homicídio cometido e "semi-confessado", na verdade, vem reiterar ainda um perfil que muito se assemelha ao das outras mulheres em O fio das missangas. É verdade que Maria Metade é mais disposta às atitudes, mas ela submissa aos devaneios. A morte de seu marido, antes de significar uma libertação sua, significa uma prisão, afinal ela o mata para ter ele guardado na lembrança só pra si. A aceitação pela metade do crime e sua formulação que não lhe tirou a vida porque vida não havia mais no corpo de Seis é na verdade um mascaramento de um desejo de posse: "E sente-se comigo, aqui ao meu lado, a assistirmos a esse filme que está correndo. Já vê, lá na tela, o meu homem, esse que chamam de Seis? Vê como ele, agora, no escurinho da sala está olhando para mim? Só para mim, só para mim, só." ³


_____________
¹ COUTO, Mia. O fio das missangas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p.41
² idem, p.41.
³ idem, p.43.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

José Saramago e As intermitências da morte

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Visões de Joseph Conrad

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

A melhor maneira de conhecer o ser humano é viajar a Marte (com Ray Bradbury)

Os diários de Sylvia Plath