A um passo da eternidade, de Fred Zinnemann



O beijo acalorado entre Burt Lancaster e Deborah Kerr, rolando na areia da praia, é uma das cenas mais românticas da história do cinema

No começo da década de 1950, os Estados Unidos já começavam a se recompor dos traumas da Segunda Guerra Mundial, mas algumas feridas ainda não estavam cicatrizadas. Entre elas, o ataque sofrido em Pearl Harbor, um assunto dolorido para os americanos e exorcizado em A um passo da eternidade, filme baseado no best-seller de mesmo nome de James Jones e uma das maiores bilheterias da época. A direção é de Fred Zinnemann, que já havia cutucado a caça às bruxas do senador Joseph MacCarthy em Matar ou morrer (1952). Em seu outro grande trabalho, o cineasta de origem austríaca filmou o cotidiano de uma base militar americana no Haví, alguns dias antes do ataque japonês.

Montgomery Clift vive Robert Prewitt, um soldado que acaba de ser transferido. Boxeador talentoso, Prewitt largou o esporte após um acidente e recusa-se a voltar a lutar. Acaba hostilizado pelos oficiais superiores e por seu colegas. Os únicos que o vêem com outros olhos são o sargento Milton Warden (Burt Lancaster) e Maggio, soldado italiano e explosivo, interpretado por Frank Sinatra. O ator-cantor estava com a popularidade em baixa e Zinnemann não queria de modo algum que o astro ganhasse o papel. Sinatra teria, então, recorrido a suas conexões de amizade com a máfia para convencer o diretor. O episódio foi revisitado mais tarde em O poderoso chefão, quando Don Corleone faz uma proposta irrecusável a um produtor de cinema aceitar seu afilhado como ator.

Ao mesmo tempo em que lutam contra a burocracia e a manipulação militar, Prewitt e Warden vivem histórias de amor: o soldado, com uma prostituta (Donna Reed), o sargento, com a esposa de um capitão (Deborah Kerr). A passagem do beijo apaixonado de Lancaster e Kerr na praia é considerada uma das grandes cenas de amor do cinema, constantemente lembrada, como no seriado americano de Tv Gilmore Girls.

A um passo da eternidade fez uma verdadeira limpa no Oscar de 1954, levando oito das principais estatuetas da Academia: Melhor Filme, Direção, Roteiro, Montagem, Trilha Sonora, Fotografia em Preto-e-Branco, Ator (Sinatra, reerguendo sua carreira) e Atriz (Reed) Coadjuvantes. Sinatra e Zinnemann também ganharam prêmios no Globo de Ouro.


* Revista Bravo!, 2007, p.69

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #325