Boletim Letras 360º #228

Esta é a nova edição de uma postagem que existe, como o número enuncia, há 228 semanas para reunir todas as notícias publicadas entre a segunda e a sexta-feira (ou extraordinariamente sábados e domingos) em nossa página no Facebook, cada vez mais próxima dos 66 mil moradores. Que notícias são essas? As selecionadas na web ou enviadas para nosso e-mail e que correspondem às linhas de interesse do blog.

Nova edição de Confesso que vivi, de Pablo Neruda, é reeditada incluindo mais de cem páginas inéditas, entre elas, notas sobre Federico García Lorca. Mais detalhes ao longo deste Boletim.


Segunda-feira, 17/07

>>> Brasil: Fernando Pessoa pensador

Escritos sobre Metafísica e Arte é organizado por Cláudia Souza e Nuno Ribeiro. O livro reúne textos filosóficos de Fernando Pessoa e de outros "eus" pessoanos (Álvaro de Campos, Ricardo Reis e António Mora), cuja temática principal gira em torno da metafísica e da arte. Todos os escritos publicados foram transcritos a partir do espólio de Fernando Pessoa e de textos publicados em revistas com as quais ele colaborou. Fernando Pessoa foi durante toda a vida um leitor voraz, interessando-se pelas mais diversas áreas do saber e empreendendo muitas leituras sobre filosofia. A edição é da Editora da UFMG.

>>> Uma nova tradução para A educação sentimental, de Flaubert

Setembro de 1840. O navio La Ville-de-Montereau parte pelo rio Sena em direção a Paris. A bordo se encontra Frédéric Moreau, jovem que sonha com os sucessos que o aguardam em sua futura vida na capital francesa. Mas seu destino começa a se desenrolar ainda durante a viagem, quando pousa os olhos pela primeira vez na Sra. Arnoux. Considerado por muitos a obra-prima de Flaubert, este romance retraça a história de um jovem ávido por amor, riqueza e glória, mas que, em uma época de profundas turbulências políticas e sociais, cujo apogeu é a Revolução de 1848, revela-se incapaz de se engajar em uma causa. A nova tradução é de Rosa Freire d'Aguiar e sai pela Penguin / Companhia das Letras conta com um prefácio inédito de Maria Rita Kehl, que relaciona o jovem Frédéric à mais famosa personagem criada pelo autor, Emma Bovary, além do texto clássico de Marcel Proust acerca do romance e do estilo de Flaubert.

Terça-feira, 18/07

>>> Brasil: Artistas terão quatro dias para criar livro de Lima Barreto na Flip 2017

A Casa do Papel, espaço voltado para a arte gráfica durante a Festa Literária Internacional de Paraty, hospedará quatro artistas que terão como missão criar um livro em quatro dias. A pesquisadora Daniela Avelar, o designer Henrique Martins, o quadrinista João Montanaro e a artista visual Vânia Medeiros criarão o livro Novos Mafuás: Crônicas de Lima Barreto e algumas outras coisas feitas por algumas outras pessoas. A antologia reúne textos do escritor, homenageado da Flip 2017, publicados na imprensa em seus últimos cinco anos de vida (1918 a 1922). A obra sai pela editora Lote 42 e será lançada às 11h de domingo (30) na Casa do Papel (Av. Otávio Gama, 142, Paraty) com uma roda de conversa entre os artistas residentes. O projeto é coordenado por Gustavo Piqueira, designer fundador da Casa Rex e autor de 20 livros, entre eles Valfrido?, Lululux e Seu Azul. A pesquisa dos textos foi realizada pelo pernambucano Yuri Pires, escritor finalista do prêmio Barco a Vapor. Ele também lançará pela Lote 42 o romance A Pedra, com pré-lançamento marcado para a Flip. Pires também assina um prefácio na obra da residência gráfica.

>>> Brasil: Tom Wolfe e uma investigação sobre a natureza da linguagem

Expoente do chamado New Journalism e autor de romances consagrados como A fogueira das vaidades, Wolfe investe todo o seu talento de jornalista investigativo e exímio contador de histórias em O reino da fala, em que se debruça justamente sobre sua principal ferramenta de trabalho: a linguagem. Com sua prosa irreverente e humor mordaz, o autor examina os repetidos esforços da ciência na tentativa de explicar o dom humano da fala, segundo ele a verdadeira responsável pelas complexas sociedades e conquistas da humanidade. De Alfred Wallace, quem primeiro formulou a teoria da seleção natural, mas depois renunciou a ela por sua incapacidade de explicar a fala humana, passando pelo pai da Teoria da Evolução, Charles Darwin, e chegando a neodarwinistas, cientistas e linguistas de diversas correntes, Wolfe defende que a linguagem fez o homem avançar bem além dos limites da seleção natural e que a fala poderia ser considerada o quarto reino, habitado apenas pelo homem. A tradução de Paulo Reis é publicada pela Editora Rocco.

Quarta-feira, 19/07

>>> Inglaterra: Outro retrato que reúne as irmãs Brontë vai a leilão em Londres

Até agora, o único retrato conhecido que reúne Anne, Emily e Charlotte Brontë era uma tela pintada pelo seu irmão Patrick Branwell Brontë por volta de 1834 que se encontra na National Portrait Gallery, em Londres. Mas à obra que mostra as três irmãs separadas ao centro por um pilar – onde se vê a sombra de uma figura masculina, possivelmente um autorretrato com que Patrick não ficou satisfeito – junta-se agora uma pintura descoberta recentemente que será da autoria de Edwin Landseer, reconhecido artista da era vitoriana. A obra terá sido adquirida à troca pelo leiloeiro Jonathan Humbert quando o quadro que queria comprar não foi encontrado e aceitou a tela sem saber do que se tratava. De acordo com a BBC, Humbert retirou o quadro do circuito de leilão em 2012 por achar que teria "relevância nacional" e que mereceria uma investigação mais profunda. A tela exibe uma joia que se sabe ter pertencido à família Brontë e que está atualmente em exposição no Brontë Parsonage Museum, em Haworth, West Yorkshire. O novo leilão realiza-se no domingo, exclusivamente online, e a JP Humbert espera arrecadar entre 35 a 40 mil libras.

>>> Brasil: O livro de Charles Bukowski sobre os gatos

Os Gatos são os animais mais admirados pelo poeta, que chegou a ter vários deles ao mesmo tempo. Considerava-os professores, sábios e sobreviventes. A coletânea Sobre gatos que sai pela L&PM Editores é composta de textos inéditos sobre esses bichos misteriosos que tocaram a alma alquebrada do Velho Safado. Uma leitura crua, terna e divertida. A edição é organizada por Abel Debritto, biógrafo do autor que editou duas outras coletâneas temáticas, Sobre o amor e Escrever para não enlouquecer. A tradução é de Rodrigo Breunig.

Quinta-feira, 20/07

>>> Brasil: A escritora deixou projeto inédito

Um deles é o Kafkianas, volume com 20 releituras de Kafka voltadas para as crianças. Inclui até textos violentos do autor tcheco, como "Um Fratricídio" e "O Abutre." Entre os textos escolhidos, há ainda "O Silêncio das Sereias", breve ensaio de Kafka sobre a "Odisseia". O livro, que Vigna deixou concluído, foi todo ilustrado por ela.

>>> Brasil: Livro de Mário de Andrade há muito fora de catálogo ganhará edição

A Com-Arte é a editora laboratório do curso de Editoração da ECA-USP e sobre ela já divulgamos vários dos projetos interessantes em execução. Eis, agora, outra novidade: eles preparam a edição de Primeiro andar, livro de Mário de Andrade que é hoje uma raridade e custa uma pequena fortuna nos sebos. Este livro, que reúne diversos contos, foi o primeiro passo de MA na ficção narrativa e foi publicado em 1926.

>>> Chile: A nova edição de Confesso que vivi, do Prêmio Nobel de Literatura chileno, Pablo Neruda, incorpora um capítulo sobre o poeta espanhol Federico García Lorca e sua homossexualidade, assim como textos inéditos, que somam mais uma centena de páginas à versão original

São documentos inéditos que apareceram na reforma da casa-museu La Chascona, em Santiago, e que se pensava pertencer a Matilde Urrutia, sua última esposa e guardiã do legado do poeta que morreu em circunstâncias ainda não esclarecidas em 23 de setembro de 1973, 13 dias depois do golpe militar de Augusto Pinochet. A homossexualidade do poeta espanhol estava muito presente neste escrito de Neruda, que se refere ao modo "obscurantista" com o qual América Latina e Espanha na época escondiam "cuidadosamente esta inclinação pessoal de Federico". Uma nota manuscrita de Matilde explica o motivo pelo qual não foi incluído o capítulo "O último amor do poeta Federico" na versão original de Confesso que vivi, o livro de memórias do poeta chileno, publicado quase um ano depois de sua morte. Neruda e Lorca se conheceram em Buenos Aires, cidade para onde o chileno foi enviado em 1933 para trabalhar na embaixada do Chile, e onde o espanhol de Granada estreou Bodas de sangue no Teatro Maipo no verão deste mesmo ano. Foi uma amizade à primeira vista fatalmente interrompida pelo fuzilamento de Lorca em 18 de agosto de 1936, no alvorecer da Guerra Civil espanhola. Além do capítulo sobre Lorca, a nova edição incorpora escritos sobre o sul do Chile, religião e perfis de poetas como o chileno Pablo de Rokha, incluído na categoria de "inimigos literários" e descrito como cínico, inescrupuloso e chantagista. (Via Estadão)

>>> Brasil: A obra de Ronald Firbank, apesar de cultuada por escritores e críticos literários da Europa e dos Estados Unidos, nunca havia sido editada no Brasil

Mistura de aristocrata fin-de-siècle e escritor de vanguarda, o inglês é o autor de nove romances curtos, produzidos no intervalo de pouco mais de uma década. Em agosto, a Editora Carambaia apresenta uma edição que reúne três das principais novelas de RF: Imodéstia, Capricho e Inclinações, escritas entre 1915 e 1917. Com humor fino, diálogos curtos e ágeis, Firbank cria um retrato da sociedade inglesa de seu tempo, por meio de um mosaico literário composto por uma coleção de trechos de conversas e detalhes curiosos da vida ao redor. Em vez do aprofundamento psicológico e da interiorização do personagem mediados pelo narrador ou da densidade analítica que marcam a prosa da época, seu texto se aproxima dos movimentos e estocadas ligeiras da comédia. Em Imodéstia, a Sra. Shamefoot, casada com um importante homem público, concentra todas suas energias no projeto de erigir um vitral violeta, homenageando a si própria, na catedral de uma cidade do interior da Inglaterra. Em Capricho, a Srta. Sinquier, filha de um clérigo, foge da casa paterna no meio rural para encenar Shakespeare em Londres. Na novela "Inclinações", uma garota de família tradicional parte em viagem pela Grécia para acompanhar uma romancista mais velha, ignorando a natureza do interesse da escritora por ela. A edição agora publicada no Brasil traz ainda textos de W. H. Auden e Edmund Wilson sobre o autor e a obra, assim como um posfácio assinado por Bruno Gambarotto, doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo. O projeto gráfico do livro, desenvolvido por Joana Figueiredo, inspirou-se no universo rico, exagerado e fantasioso de Firbank, com suas inúmeras referências artísticas, para reunir as novelas em um único volume, encadernado em capa dura e envolvido por uma sobrecapa que reproduz a obra Apoteose da rosa, de Joseph Stella. (Via Sul21)

Sexta-feira, 21/07

>>> Brasil: Trilogia suja de Havana, um marco na literatura latino-americana, ganha reedição

Em grande parte autobiográfico, é uma narrativa arrebatadora sobre o cotidiano de Cuba em plena crise econômica e o mais emblemático livro de Pedro Juan Gutiérrez. Sem medo de se expor, o escritor narra sua vida particular e tudo o que se passa ao seu redor. Com uma linguagem direta, aborda temas como sexo, fome, desencanto e luta. São relatos dramáticos, e por vezes cômicos, sempre acompanhados de muito rum e sensualidade. Trilogia suja de Havana é um deslumbrante conjunto de histórias de ritmo acelerado, orquestradas como um romance. Duras, comoventes e verdadeiras, elas nos revelam um escritor único, um cronista implacável em tempos contraditórios, terríveis e fascinantes.

>>> Brasil: Um amor de Swann, de Marcel Proust

O Brasil redescobre Proust além de Em busca do tempo perdido. O livro agora apresentado narra o amor obsessivo de Swann por Odette. De simples caso desinteressado, a relação evolui para algo que toma conta da vida do protagonista. Ao narrar a história das duas personagens, a obra ultrapassa a descrição de uma simples história de amor para revelar gradualmente a complexidade dos sentimentos, da memória e do tempo. Um amor de Swann é a porta de entrada para a monumental obra de um dos maiores escritores do século XX. O livro traz prefácio de Marcelo Jacques de Moraes, professor da UFRJ, em que trata de aspectos da obra proustiana como a rememoração e da importância da obra como porta de entrada fecunda para a obra de Proust, sensibilizando o leitor para as grandes questões do romance.A tradução é de Cristina Cupertino e sai pela Tordesilhas.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Angela Carter, a primazia de subverter

O túmulo de Oscar Wilde

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

História da menina perdida, de Elena Ferrante

Ivan Búnin