Edith Wharton, a contradição faz literatura


Por Marta Ailouti



“Mais forte, mais firme e mais sutil que todos os outros”, nas palavras de Henry James, Edith Wharton (1862-1937) disse “mais” e “melhor”. Conhecida em particular por seu papel de romancista, por obras como A casa da alegria, Ethan Frome ou A época da inocência, título com o qual foi a primeira mulher a obter o Prêmio Pulitzer, ao longo de sua vida, escreveu mais de quarenta livros, dezenas de contos, livros de viagens e poemas. Martin Scorsese e Terence Davies adaptaram este último título para a sétima arte. E F. Scott Fitzgerald, Jean Cocteau e Ernest Hemingway não hesitaram em expressar sua admiração por essa brilhante autora, sobre quem James também disse que sua “única desvantagem” era “não ter simplicidade, o casual, a feliz limitação e a alta pobreza de um País Próprio”.

Precisamente, se Edith Wharton não entendia de alguma coisa, era de limites. Presa de um espírito aventureiro, situada entre uma corda bamba e uma cama de penas, chegou a afirmar que escolheria a corda bamba. Herdeira de uma grande fortuna que seu marido desperdiçou com seus amantes, atravessou o Oceano Atlântico sessenta e seis vezes, percorreu a linha de frente durante a Primeira Guerra Mundial numa motocicleta e tinha seu próprio carro.

Seu nome chegou a soar em pelo menos três ocasiões como sério candidato ao Prêmio Nobel de Literatura e sua obra formada por narrativas curtas – atenção neste texto – foi organizada pela primeira vez em The Collected Short Stories, em 1968, por Richard Warrington Baldwin Lewis. São 86 contos que cobrem de 1891 a 1937.

Edith Wharton foi uma das primeiras mulheres a se divorciar. Suas relações foram bem conhecidas: com o jornalista William Morton Fullerton; a cantora de ópera Camilla Chabbert; e a poeta Mercedes de Acosta. Mulher bissexual, senhora elegante, intelectual de primeira linha, criadora de tratados de desenho e moda, amante do lar, amiga dos homens, conservadora e declarada antifeminista na época do sufrágio universal, sua vida esteve cheia de contradições e sua literatura era “profundamente progressiva em níveis assustadores”.

O estilo de seus contos

É possível que a riqueza de seus contos esteja nessas contradições. Fortemente influenciada por sua governanta, Anna Catherine Bahlmann, quem provavelmente a dotou de um pensamento mais livre, independente e com quem viria manter um vínculo de mais de quarenta anos, “Wharton constrói fábulas onde as mulheres se perguntam se compensa ter filhos, se o amor tem alguma importância, se a beleza não é uma armadilha, mostra repetidamente como elas lutam para se tornar sujeitos reais contra a visão idealizada masculina, critica durante os limites do casamento, desenha o impulso erótico que se choca contra as convenções e é uma voz poderosa que se recusa a ser presa por ideias dominantes”.


Seus contos revelam que ninguém escreve igual a ela. Wharton usou muitas frases justapostas, vírgulas, tinha uma forma de escrever morosa e detalhista, o que, torna fácil de se ler e difícil de traduzir. Ela é muito sui generis na maneira de se expressar.

Com um excelente senso de humor, uma fina ironia e um gosto pelo gótico, sua literatura fala sobre os fantasmas que as mulheres precisam enfrentar numa mudança de sua condição. Desde o seu primeiro conto, “Mrs. Mantsey’s View” (algo como  “O ponto de vista da Sra. Manstey”), suas narrativas mostram uma evolução tanto tematicamente quanto em estilo. Ela tem uma sensibilidade para o misterioso e o oculto. Isso é bastante evidente.

Edith Wharton e Virginia Woolf, duas escritoras diferentes

Embora não se saiba quem influenciou quem, amiga íntima de Henry James, sobre de quem se disse seu mentor, Edith Wharton, que não teve pudor de publicar em revistas, algo de gosto duvidoso pelas classes mais altas da época, conseguiu sua popularidade como escritora profissional, acumulando uma certa fortuna. Ao contrário das irmãs Brontë, Jane Austen e George Eliot, ela desfrutou daquele quarto todo seu sobre o qual falou Virginia Woolf em 1928. No entanto, e apesar disso, a independência que lhe permitiu escrever com certas liberdades e assumir suas viagens não se traduziu na apresentação de algumas ideias, na aliança com os homens e na rejeição do pensamento feminista, o que lhe constitui figura meio incongruente.

Enquanto Virginia Woolf era uma escritora reconhecida por sua modernidade, Wharton ficou sendo lembrada como uma velha senhora que escreveu histórias antigas, quando na verdade era uma mulher livre; ela foi alguém que no seu tempo conseguiu mudar a maneira de contar as coisas. Talvez seu erro tenha sido sentir-se tão poderosa que não viu suas próprias fragilidades, enquanto Woolf procurava mais “seu lugar como intelectual”.

Crítica especialmente com sua própria classe, apesar de suas origens abastadas e da imagem de uma nobre dama, Wharton, que colaborou durante a Primeira Guerra Mundial com a Cruz Vermelha, criou escolas de treinamento para mulheres, ajudou refugiadas e procurou trabalho para os desempregados. Sua lista de feitos é enorme; foi a primeira mulher reconhecida com um título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Yale. E foi, em tudo, a escritora das pessoas comuns e das mulheres.

Suas histórias traçam retratos de pintores e viagens, refletem sobre a vida cotidiana, o ofício da escrita e o espaço da casa como uma metáfora. Em “Copy” (Cópia), outro de seus contos, escreve: “Não me fale sobre viver no coração dos meus leitores. Nós dois sabemos que tipo de casa é essa. Bem vês, não tardarei muito para ser um clássico. Encadernada em coleções e guardada no alto da estante”. Não estava muito enganada. Edith Wharton morreu na França em 1937, para onde havia se mudado em 1905, e seu lugar, de alguma forma, como o de seu personagem, sempre foi esse. Junto aos grandes escritores. Entre as mesas de cabeceira e as prateleiras das grandes e pequenas bibliotecas pessoais.

Ligações a esta post:
>>> Edith Wharton e sua obsessão pelos cães

* Este texto é uma tradução livre de “Edith Wharton, la contradicción hecha literatura”, publicado aqui, em El Cultural.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aquela água toda, de João Anzanello Carrascoza

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Essa gente, de Chico Buarque

16 + 2 romances de formação que devemos ler

Dossiê James Joyce: um guia para entender "Ulysses"

Ossos do ofício: Borges e a poética da conjectura

Boletim Letras 360º #360