Jorge Fernandes, o poeta de vários atos

Por Pedro Fernandes




Cento e vinte um anos nos separam do nascimento de Jorge Fernandes de Oliveira ou simplesmente, como ficou conhecido, Jorge Fernandes. O poeta nasceu em Natal no dia 22 de agosto de 1887. De uma família de outros poetas, destacando-se Sebastião Fernandes, Jorge não se apresenta na cena literária potiguar já com seu Livro de Poemas, o que mais na frente lhe dará o respaldo merecido, mas com um outro pequeno livro em parceria com Ivo Filho, chamado Contos & Troças – Loucuras. Trata-se dum livro composto de contos humorísticos e de poesias, sendo que a prosa coube a Jorge e a poesia a Ivo. Além deste, publicou o autor pequenas peças de teatro. Todas, ao dizer do crítico Tarcísio Gurgel, sem maior importância.

A sua família nunca fora de muita monta no Estado. Seus pais Manoel Fernandes de Oliveira e Francisca Fagundes Fernandes tiveram ainda, além Jorge e Sebastião mais oito filhos. Era o pai apenas professor público, desenhista, dominava o latim e a mãe, dona-de-casa que, conforme Veríssimo de Melo, gostava de ler e possuía em casa as obras completas de Gonçalves Dias, Manuel de Macedo e José de Alencar. Ao poeta, o primeiro seria de bastante serventia mais tarde, quando parafrasearia num de seus poemas os saudosos versos de “Canção do Exílio” – “Mas a grande vida brasileira esbarra a inspiração/Do pobre poeta que na sua terra tem palmeira/Onde nunca cantou sabiá... (Ele só canta no mufumbo e nas caatingas...)”.

Seria também esta D. Francisca sua mãe das letras. Era natural por essa época que os filhos, por passarem mais tempo com a mãe, que esta lhe fosse não apenas uma progenitora, mas também uma educadora. E Jorge aprende a carta de ABC com a mãe. Carta de ABC que ele, segundo conta Veríssimo de Melo, logo largou para ler os livros de Macedo e de Alencar. Estudaria dois anos no Colégio Atheneu Norte-Rio-Grandense, mas não seria aluno exemplar. Como resultado do abandono dos estudos seu pai arranjou-lhe um emprego no comércio e trabalhou para a Fábrica Vigilante em torno de vinte e cinco anos, saindo de lá, em 1930, para negociar com cafés e bares da Rua Ulisses Caldas, tornando-se sócio de Firmo Guerra no famoso Café Majestic.

Foi casado por duas vezes: em 1910, Maria Fagundes; em 1916, Alice Fernandes. É por esse intervalo de tempo, mais precisamente 1914, que o poeta começou a escrever para jornais. Ao lado de Ferreira Itajubá, Gotardo Neto, entre outros, aparece Jorge, pela primeira vez, na revista da Oficina Literária Norte-Rio-Grandense, O Potiguar. Depois chega a colaborar com vários jornais e revistas da época – O Tempo, A Rua, Pax e o jornal humorístico Arurau.

Isso tudo resultaria no já falado livro com Ivo Filho, Contos & Troças – Loucuras, publicado em 1909. Cinco anos mais tarde, aparece o poeta como teatrólogo. Escreve e encena Anti-Cristo, em colaboração com Virgílio Trindade; Céu Aberto, também com Virgílio e Ezequiel Wanderley; Já Teve; O Brabo; e, Ave Maria. Assim como seria com a poesia, também estas peças de Jorge eram dotadas dum caráter inovador para época. Se o tempo que se aviltava no horizonte da sociedade era o do minuto sonoro, da pressa, do arranque, conforme Câmara Cascudo, Jorge introduzia essa condensação do tempo nas suas peças. Tinham elas o caráter de “sketches”, como Ave Maria encenada em apenas um curto ato.

Desse corpo de peças e ainda O Aniversário, Jorge escreveria Pelas Grades, peça de maior sucesso, extraída de um dos seus contos. Pelas Grades chegou a ser encenada no palco natalense por várias vezes, chegando a turnear por outras cidades e ser adaptada para o rádio. Além destas, outras duas no mesmo estilo dos “sketches”, também fizeram sucesso de crítica e público, que foram as tragicomédias de um ato De Joelhos e Desesperada.

Todos estes atos, apesar do sucesso, não deram o respaldo merecido a Jorge. Teria ele de esperar o ato do lançamento de seu Livro de Poemas, em 1927. Com a poesia adere ao Movimento Modernista de 22, juntamente como Câmara Cascudo, que foi, indubitavelmente, quem alavancou seu nome, colocando-o em correspondência com o poeta Mário de Andrade. Será por essa época que chega a ser incluído em antologias modernistas do sul. Foi a partir desse ano que Jorge passa a escrever periodicamente para o jornal A República, um dos mais importantes do Estado, o que não lhe rende tanta coisa, dado o fato de que a receptividade à sua poesia não ter sido feita com bom grado pela maioria do público, ainda que a crítica da época se resumisse a Câmara Cascudo e estava Jorge avalizado por ele.

Morava à Rua Vigário Bartolomeu, que segundo os registros históricos, chamava-se Rua da Palha, numa casa de porta e janela – semelhante a da foto da capa da quinta edição de seu livro lançada esse ano pela Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Gostava dum bate-papo, de perguntar sobre as novidades. Atesta-nos os registros como um poeta de temperamento irrequieto. Passou os últimos anos de sua vida doente, vindo falecer no dia 17 de julho de 1953, em Natal. O reconhecimento como divisor do ato no adro da poesia do Estado o poeta só teria bem mais tarde.

Ligações a esta post:
>>> Jorge Fernandes: o poeta de vários atos
>>> Jorge Fernandes e seu livro de poemas
>>> A poética de Jorge Fernandes


* Este texto é fruto das discussões travadas no Ciclo de Palestras Escritores e Escrituras Potiguares realizado no stand do Jornal De Fato por ocasião da IV Feira do Livro de Mossoró (RN). É o primeira de um conjunto de três textos e será publicado sempre no Caderno Domingo do Jornal De Fato.



Comentários

Dayane viana disse…
Oii moço queria saber algumas curiosidades sobre a vida dele é para um trabalho!

agradeço

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Os melhores de 2018: poesia

Joker

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath