Branca de Neve e o caçador, de Rupert Sanders

Por Pedro Fernandes

Charlize Theron em cena como a rainha má. Seu papel convence e é responsável pelos melhores momentos de Branca de neve e o caçador.


É lógico que nunca haveria de passar pela cabeça dos irmãos Grimm, os que primeiro registraram o conto da tradição oral europeia do século XIX, que a história pudesse se manter tão atual e capaz ainda de duas ressignificações como as que recebeu neste ano. A de agora, infinitamente superior à anterior, que trouxe a rainha má sob a bela interpretação de Julia Roberts e que comentei aqui. Também é a versão superior às que foram feitas por exemplo pelo Walt Disney, que, méritos à parte, saiu adocicando tudo quanto foi narrativa vista pelos olhos inocentes da cultura pop. E que não nos esqueçamos que as narrativas coletadas pelos Grimm nunca tiveram esse tom desenhado depois.

O filme de Rupert Sanders parece não ter esquecido disso e conseguiu colocar na tela uma Branca de Neve com um tom muito próximo da violência psicológica do conto tradicional e conseguiu, sem fazer grandes violações ressignificá-lo para os tempos atuais; cito como mérito dessa atualização o espírito guerreiro a Joana D'arc incorporado por Branca.

Só em ter conseguido essas duas façanhas - recuperar a tradição e inovar - são atitudes já dignas de louvor num território em que os grandes estúdios de cinema têm investido para valer na comercialização e reduzido suas produções ao mal pastiche e ao mero joguete dos efeitos especiais. Evidentemente que há um diferencial: diz-se que Rupert conseguiu finalizar seu filme que pretendia ser um épico peregrinando de estúdio em estúdio até apresentar a Hollywood e este escolhê-lo como melhor produção dentre as muitas propostas de releitura do clássico. Por falar nos efeitos especiais, eles estão lá, mas muito bem distribuídos e não perdem para o enredo e nem para outras nuances importantes num filme, como as ações e a fotografia. Claro que há alguns exageros que deixam o filme num baixo tom, como a cena de luta de Branca e o caçador com uma espécie de monstro adormecido guardião da floresta negra.

Destaque mesmo é para Charlize Theron, incorporando o papel da Rainha Ravenna. A atriz consegue transmutar-se na personagem e recuperar, no limite certo, o seu ar de malignidade. Gostei da ideia de justificar, para o desenvolvimento da psicologia da persona, como ela adquiriu o comportamento de má, denotando que a maldade da rainha tem uma raiz até certo ponto compreensível e não apenas é fato imanente da natureza. Conseguimos acompanhar com integralidade o processo de modificação da personagem e entender objetivamente seus movimentos no interior da narrativa. 

Se o mal é o lado mais interessante a ser explorado pelas histórias em geral, eu não sei, mas devo dizer que, em termos de interpretação este Branca de Neve novamente é salvo por esta faceta. Digo, isso porque o pastiche ensaiado no Branca de neve anterior é recuperável graças ao modo como Julia Roberts incorpora a personagem má. 

Imerso que ando revendo papeis femininos em tudo quanto é texto, chama-me atenção a movimentação delas num filme em que apenas a figura do caçador e do conde roubam vez por outra o caráter atuante delas. Isso porque as duas potências maiores estão representadas por figuras femininas: uma na ânsia por recuperar o de direito, o trono, já que o pai-rei fora assassinado no leito de núpcias e a outra na ânsia de perpetuar a juventude e a beleza - desejo naturalmente humano - e dá início a um império cujo foco é a caça de mulheres jovens e belas das quais se alimenta para essa preservação. Destaque aqui para a tribo das mutiladas, cujas faces são marcadas para que se tornem esteticamente feias e com isso escapem do olhar astuto do espelho mágico da rainha e sua busca pela mais bela do reino.

A fuga dos desfechos comuns de que toda mulher deve se subordinar a homem para "ficar bem na foto do foram felizes para sempre"  é escamoteado, ainda que durante todo o filme se tenha ensaiado um movimento de desejo entre o caçador, o conde e a futura rainha, no fim, o que prevalece é uma luta pelo poder que quererá ser contrário ao que governa.

Enfim, seria exagero afirmar aqui que este Branca de Neve e o caçador é uma das melhores produções cinematográficas que assisti até agora em 2012, porque não foi e não é. Talvez seja uma das mais bem acabadas e bem elaboradas, mas nada que leve o filme a categoria suprema.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Os segredos da Senhora Wilde

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea