Duas linhas sobre o encontro com Maria Teresa Horta

Por Pedro Fernandes

Eu e a escritora Maria Teresa Horta, Salvador, 2009. 

1. Embora soubesse da publicação de vários outros títulos de poesia, pela leitura esparsa na web, conheci o nome de Maria Teresa Horta através de uma fala da professora Conceição Flores em 2007, quando ela se propôs a uma relação intertexto com a obra de outra Teresa, Teresa Orta (leia mais aqui).

2. Logo depois da fala de Conceição Flores encontrei a edição das Novas cartas portuguesas escrita por Maria Velho da Costa e Isabel Barreno. Para quem não conhece este texto, fica a recomendação: as três escritoras planejaram a ideia ainda durante o conturbado período da Ditadura Militar em Portugal e foi publicado em 1972, pela Estúdios Cor. Trata-se de uma reunião de cartas, ensaios, poemas e vários fragmentos dispersos, ora em língua portuguesa ora em língua francesa. A obra é inspirada nas famosas Cartas portuguesas (título francês do século XVII publicado por Claude Barbin); as Cartas francesas são cinco epístolas supostamente escritas pela freira portuguesa Mariana Alcoforado após envolver-se com o cavaleiro francês Noel Bouton, no Convento da Conceição em Beja. As Cartas das três Marias (foi assim que o grupo ficou conhecido em Portugal) foi censurada pelo regime, o que causou um celeuma ao redor do mundo: da França, por exemplo, as escritoras receberam o apoio de nomes como de Simone de Beauvoir.

3. Depois, em setembro de 2009, Maria Teresa Horta veio a Natal por ocasião do Seminário Internacional Mulher e Literatura. O evento homenageava a escritora e a poeta brasileira Diva Cunha. Foi quando ouvi, em êxtase a fala da escritora; uma fala que só encontro um adjetivo para assinalá-la: magna. Entre a poesia e o registro da poesia pela palavra. Quando esteve no Rio Grande do Norte, apresentou um livro com poemas escritos no Brasil: Poemas do Brasil (Editora Brasiliense).

4. Quinze dias depois a reencontrei em Salvador por ocasião do Congresso Internacional de Professores a Associação Brasileira de Literatura Portuguesa; e, novamente, depois de assisti-la numa fala sobre as mulheres e a literatura, num encontro pelos corredores da Universidade Federal da Bahia tomei coragem de trocar algumas palavras com a escritora e o resultado final é a imagem que ilustra esta post; claro os bastidores sobre fica para mim.

5. Além dos títulos que citei, uma busca na web leva o leitor a saber que  Teresa Horta é autor de uma extensa obra que transita entre os diversos gêneros literários: Espelho Inicial, Tatuagem, Cidadelas Submersas, Verão Coincidente, Amor Habitado, Candelabro, Jardim de Inverno, Cronista Não é Recado, Minha Senhora de Mim, Poesia Completa (dois volumes), Minha Senhora de Mim. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*