Almada Negreiros


Auto-retrato num grupo. Óleo sobre tela, 1925. Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal. O painel foi realizado por Almada Negreiros para o café A Brasileira e com ele o autor participou do Salão de Outono de 1925.



“A vocação de Almada foi a de dizer-se, de afirmar-se, de passar a vida a ser-se Almada."
 Eduardo Lourenço

“A Raça Portuguesa não precisa de reabilitar-se, como pretendem os tradicionalistas desprevenidos; precisa é de nascer pro século que vive a Terra.”
 Almada Negreiros


Este é um poeta que a crítica o tem como a figura mais polêmica do Modernismo português e assim o foi nas mais diferentes manifestações artísticas – na prosa, no teatro, na poesia e nas artes plásticas. Mas, na definição de Carlos Queirós “em tudo, e sobretudo, poeta. Ele próprio, humanamente, poeta”. Sua inquietude ou rebeldia não são gratuitas.

Almada, além do olhar aguçado do poeta forma-se poeta de um tempo também de inquietudes e de rebeldias. Marca-se como o artista que via na arte o espaço – não apenas para as transgressões estéticas  mas para “estetização” de questões sociais mais complexas. 

Álvaro Cardoso Gomes o lê como ilha  “Eu tenho visto olhos!/ Mas nenhuns que me vissem/ nenhuns para quem eu fosse/ um achado existir/ para quem eu lhes acertasse lá/ na ideia/ olhos como agulhas de/ despertar/ como íman de atrair-me vivo/ olhos para mim!”  num mundo regido pelo senso prático e pelo frio racionalismo, pelo seu tom avesso ao convencional, ao mau-gosto e à doença da civilidade impetrada pelo nascimento da burguesia.

E claro, tudo isso está em poemas como “A cena do ódio”, escrito como espécie de resposta ao “Ode triunfal”, de Álvaro de Campos, está nos vários manifestos que, de certo, sacudiram os rumos da vanguarda futurista e do próprio Modernismo em Portugal e se amplifica para outras frentes do seu vasto universo criativo que começou a se formar na segunda década do século XX primeiramente como artista plástico.

Nascido em 7 de abril de 1893 na Fazenda Saudade, em São Tomé, Almada Negreiros viveu em Paris na mesma década em que Sá-Carneiro; depois, em Madri, onde trabalhou como artista plástico entre 1927 e 1932 e, só então, em Lisboa, na pátria onde Camões morreu de fome e onde todos enchem a barriga de Camões. Para muitos críticos sua vivência com as atividades picturais finda por interferir na imagem pública do escritor, esta que só será evidenciada mais atentamente muito tardiamente. 

Integra, a partir de 1915 a frente do grupo de Orpheu, ocasião que o leva conviver com Fernando Pessoa, e mais tarde noutras revistas como Contemporânea e Portugal Futurista. Em termos literários, no primeiro projeto publica um conjunto de micro-narrativas com o título de Frisos”; no segundo, Rondel do Alentejo”, uma passagem da conferência La révolution individuelle”, o conto “O diamante e o poema “O menino d'olhos gigante

Já no único número de Portugal Futurista sua presença é ampla: com Ruy Coelho e José Pacheco assina o texto de abertura, Os bailados russos em Lisboa”, sozinho assina Saltimbancos. Contrastes simultâneos”, Mima-Fatáxa sinfonia cosmopolita e apologia do triângulo feminino” e uma parte do tríptico de manifestos futuristas, o Ultimatum futurista às gerações portuguesas do século XX”. Parte desses textos terá contribuído fortemente para, tão logo publicada a revista, os mecanismos de censura entrassem em ação e todo material fosse apreendido.

Dos manifestos que escreveu, o Anti-Dantas é talvez o mais conhecido. Com a já conhecida linguagem agressiva e exuberante, ataca-se a figura de Júlio Dantas transformando-o em síntese de uma mentalidade tacanha e academicista que mereciam de todos os interessados em compor nova arte a recusa demolidora. 

Almada Negreiros, sem data. Foto: San Payo.


“Os homens são na proporção dos seus desejos
e é por isso que eu tenho a concepção do Infinito

Tu não sabes, meu bruto, que nós vivemos tão pouco
que ficamos sempre a meio-caminho do Desejo”
— Almada Negreiros

Nada há mais moral nem de maior valentia que a autoridade pessoal. Se há no mundo postos ambicionados, só um há de direito para cada um: a sua autoridade pessoa.
— Almada Negreiros


Jorge de Sena pontua que o Almada Negreiros se faz de um “abstracionismo intelectualizado, esquematismo geometrizante, visionário do racionalismo delirante, artificialismo esteticista de arlequins, por um lado, opõem-se, diversamente, a sentimentalismo irónico, realismo do pormenor descritivo ou linguístico, primitivismo de um retorno à infância e à ingenuidade, ou sistemática valorização da espontaneidade estética (que não é psicologística ou do 'humano')”. Ou seja, este é um dos autores do modernismo português mais completos e marcado pelas verdadeiras diretrizes do desassossego, no interesse contínuo de oferecer uma inovação no universo artístico de seu país.

É fato que todo o radicalismo juvenil atravessará uma estagnação ou uma crise sobretudo a partir dos anos 1930, quando suas criações parecem retroceder a um instante pré-moderno, mas, nunca esteve interessado em pactuar com as ideologias políticas dominantes, apesar do Estado Novo ter se apropriado de sua matéria. No curso do retorno da suas expressões artísticas, a literatura também desvanece com o passar dos anos.

Fernando Guimarães destaca três fases da poesia de Almada Negreiros: uma marcada pela ruptura, outra por um regresso a certas matrizes da reflexão antiga” e outra de matriz existencial. A primeira delas, certamente a mais interessante, constitui-se não apenas pelo tratamento de negação das diretrizes que conformam o ecossistema burguês, como se empenha na destituição das expressões enraizadas do realismo e naturalismo. E esse tratamento terá sido constante nas três fases criativas. 

Além dos textos já citados, vale ainda recordar os seguintes títulos de sua autoria: A engomadeira e K4 o quadrado azul (composto com Amadeo de Souza-Cardoso), de 1917; Antes de começar, peça escrita dois anos depois das novelas citadas antes mas só publicada em 1956; O Kágado, texto saído na revista ABC em 1921; a peça Pierrot e Arlequim saída na revista Athena em 1924; o romance Nome de guerra, de 1938; a peça Deseja-se mulher, em 1959.  

Desses títulos, Nome de guerra terá sido o livro que recebeu, para bem e para mal, a melhor atenção da crítica. António Alçada Baptista diz: “Em plenos anos vinte, Almada Negreiros, com o Nome de Guerra, exprime, em literatura, uma proposta nova que desloca o problema amoroso da relação homem-mulher para a relação da pessoa consigo própria, o que significa, por outras palavras, que a maior parte dos problemas, que julgávamos ter de resolver através do trama amoroso, têm de ser resolvidos connosco.

O poeta, em junho de 1970, dá entrada no Hospital S. Luís dos Franceses e morre no dia 15, no mesmo quarto onde morreu Fernando Pessoa, um dos últimos dos que primeiro fomentaram o modernismo em Portugal. Não concluiu, para o amigo, o projeto de ilustrar o único livro que publicou em vida, Mensagem; deixou apenas três desenhos publicados no Diário de LisboaDo modernismo português foi quem mais durou: viu o desvanecimento do ímpeto juvenil modernista e o aparecimento da segunda vaga modernista, esta que como Orpheu nunca passou.


Ligações a esta post:
>>> No blog do caderno-revista 7faces é possível ler poemas de Almada Negreiros, inclusive a versão de A cena do ódio” que seria publicada na edição número 3 da revista Orpheu. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sophia de Mello Breyner Andresen e João Cabral de Melo Neto, convívios pela poesia

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #423

Cinco livros e cinco filmes para conhecer Charles Bukowski

O companheiro de viagem, de Gyula Krúdy