Camões, uma nova visão sobre o amor

Marte e Vênus. Carlo Saraceni

[Diotima*] Eis, com efeito, em que consiste o ceder corretamente nos caminhos do amor ou por outro se deixar conduzir: em começar o que aqui é belo e, em vista daquele belo, subir sempre, como que servindo-se de degraus, de um só para dois e de dois para todos os belos corpos, e dos belos corpos para os belos ofícios, e dos ofícios para as belas ciências até que das ciências acabe naquela ciência, que de nada mais é senão daquele próprio belo, e conheça enfim o que em si é belo. Nesse ponto da vida, meu caro, Sócrates, se é que em outro mais, poderia o homem viver, a contemplar o próprio belo. Se algum dia o vires, não é como ouro ou como roupa que ele te parecerá ser, ou como os belos jovens adolescentes, a cuja vista ficas agora aturdido e disposto, tu como outros muitos, contanto que vejam seus amados e sempre estejam com eles, a nem comer nem beber, se de algum modo fosse possível, mas a só contemplar e estar ao seu lado.

Que pensamos então que aconteceria, disse ela, se a alguém ocorresse contemplar o próprio belo, o nítido, puro, simples, e não repleto de carnes humanas, de cores e outras muitas ninharias mortais, mas o próprio divino belo pudesse ele em sua forma única contemplar? Porventura pensas, disse, que é vida vã a de um homem a olhar naquela direção e aquele objeto, como aquilo com que deve, quando o contempla e com ele convive? Ou não consideras, disse ela, que somente então, quando vir o belo com aquilo com que este pode ser visto, ocorrer-lhe-á produzir não sombras de virtude, porque não é sombra que estará tocando, mas reais virtudes, porque é no real que estará tocando? E que, a quem produziu autêntica virtude e alimentou cabe tornar-se amigo da divindade, e se algum outro homem cabe tornar-se imortal, é sobretudo a este?

(Platão, O banquete - fragmento)

Nestas notas, observaremos a forma nova com que o eu-lírico camoniano emprega para tratar acerca da temática amorosa. Foi o poeta bastante influenciado em sua lírica mais conhecida – como a das contradições apresentadas no famoso poema, "Amor é fogo que arde sem se ver" – pela perspectiva filosófica denominada de neoplatonismo.

As obras filosóficas de Platão e Aristóteles foram muito estudadas durante a Idade Média. Na passagem para o Renascimento, a influência de Platão manteve-se bastante forte e alguns filósofos da época, como Leon Hebreu, chegaram a realizar atualizações em algumas de suas teorias. A definição platônica de amor, que interessa mais de perto, foi objeto de uma dessas atualizações, de modo a ser conciliada com uma visão cristã de mundo.

É em O banquete que Platão define o amor como sentimento capaz de purificar o ser humano. Para que tal purificação ocorra, porém, é necessário que o amante siga alguns passos que o afastarão cada vez mais das coisas terrestres – aparentes, características do mundo sensível – e o levarão em direção à essência – característica do mundo inteligível. Como foi visto no fragmento que rege este texto, o amor, segundo Platão, leva o ser humano a um processo ascencional, permitindo que se desprenda das coisas ilusórias da vida e contemple o “belo em si”, a verdadeira essência de tudo.

A perspectiva neoplatônica que inspira os poemas camonianos é em tudo semelhante à apresentada por Diotima a Sócrates, com uma única exceção: como resultado final, em lugar da contemplação do “belo em si”, o processo de purificação amorosa passa a aproximar o ser humano das coisas divinas. Como valores a serem alcançados através desse exercício de purificação pessoal, os neoplatonistas conservam aqueles identificados por Platão: o Bem, o Belo e a Verdade.

Camões demonstra, em seus sonetos, uma luta constante entre um amor material, manifestação da carnalidade e do desejo, e o amor visto como ideia, puro, espiritualizado, capaz de conduzir o ser humano à realização plena. É natural que, segundo esta última perspectiva, a mulher seja retratada como exemplo da perfeição, já que ela inspira a superação do amor carnal e a realização do amor puro. São inúmeros os sonetos em que o amor neoplatônico é trabalhado.

Transforma-se o amador em cousa amada,
Por virtude do muito imaginar;
Não tenho logo mais desejar,
Pois em mim tenho a parte desejada.
Se nela está minha alma transformada,
Que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si somente pode descansar,
Pois consigo tal está liada.

Mas esta linda e pura semideia,
Que, como o acidente em seu sujeito,
Assim com a alma minha se conforma,

Está no pensamento como ideia;
[E] o vivo e puro amor de que sou feito,
Como a matéria simples busca a forma.

Noutros sonetos – e aqui reside sua inovação em torno da temática amorosa – Camões apresenta um amor mais materializado, terreno e carnal, fonte de sofrimento constante. A impossibilidade de explicar racionalmente o sentimento amoroso e de conciliar desejo carnal e purificação espiritual levam a poesia camoniana a manifestar frequentes contradições, que se explicitam no uso intenso de antíteses e paradoxos. 

Para a crítica, o poeta português esgotou quase todas as possibilidades de abordagem sobre o tema em sua obra lírica; ele está visível não apenas nos sonetos (cf. vimos destacar nas duas postagens anteriores), mas, desde alguns episódios de Os Lusíadas. Daí a afirmativa sempre certa (pautada na ideia de que a arte imita a vida) que tenha sido um homem que experimentou as diversas formas de amor e, claro, numa época de amor cortesão, tenha tido uma vida intensa e tumultuada. Fato é que, do seu tempo (e mesmo para as poéticas posteriores) nenhum outro soube expressar com real empatia as dores do sentimento amoroso, sem se guiar por um sentimentalismo gratuito, adolescente.

A poesia amorosa de Camões é sensual, do homem tragado pela volúpia do corpo, encantado pela forma feminina, do boêmio apaixonado e exaltado, tudo numa medida em que, mantém certo zelo pela imagem cantada, ainda quando o retrato é o da dor da perda, da decepção amorosa, do desengano, da traição ou do abandono. O tema amoroso em Camões é tocada por uma verve melancólica, à sombra do desencanto, da desesperança e da degenerescência do eu ante a impossibilidade de se cumprir a plenitude da felicidade a partir do amor.

A obra lírica de Camões se tornou imortal, não apenas porque o poeta falou sobre um sentimento comum a todos povos e a todos os tempos, mas porque introduziram uma nova compreensão sobre um tema maleável, revigorado a cada geração. Afinal, ele sabia que "mudam-se os tempos, mudam-se as vontades".


Ligações a esta post:
>>> Camões, cantor de seu povo e voz de seu tempo
>>> Camões, um gênio do lirismo amoroso (parte 1)
>>> Camões, um gênio do lirismo amoroso (parte 2)
>>> Camões, uma nova visão sobre o amor

* As ideias e expressões que compõem este texto-dossiê estão em ABAURRE, Maria Luiza; PONTARRA, Marcela Nogueira; FADEL, Tatiana. Português:língua e literatura. São Paulo: Moderna, 2000.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Varlam Chalámov, contador de histórias

Boletim Letras 360º #323