As relações de Parra com o mundo

Por Roberto Careaga C.

Nicanor Parra, Miguel Grinberg, Allen Ginsberg, Maria-Rosa, Havana, Fevereiro, 1965.


Foi na Inglaterra, em finais da década de 1940, onde Nicanor Parra encontrou a iluminação que buscava. A poesia tradicional que havia explorado em Cancionero sin nombre (1938) já não fazia sentido e, então, viu de relance na vitrine de uma livraria o livro Apoemas, de Henri Michaux. “Perguntei-me: ‘Por que não intitular logo como antipoemas ao invés de apoemas?’”, contou anos depois, quando já havia iniciado a revolução com a antipoesia.

Mas, além da ruptura com a tradição lírica chilena – que teve Pablo Neruda como importante antagonista –, o  projeto de Parra afetaria as bases de toda a poesia hispano-americana da segunda metade do século XX e para além de sua língua. Mas, o reconhecimento foi lento. Salvo os estadunidenses que já nos anos 1960 publicaram a obra do chileno em inglês, a Europa se manteve muito esquiva à antipoesia: tinha 97 anos quando na Espanha lhe entregaram o Prêmio Cervantes e só em 2011 uma editora francesa se interessou por publicar sua obra.

Com fãs anglo-saxões do peso do crítico Harold Bloom, Parra teve uma relação estreita com a Geração Beat: no marco do Primeiro Encontro de Escritores Americanos, em 1960, o antipoeta foi anfitrião, no Chile, de Allen Ginsberg e Lawrence Ferlinghetti. Depois de vários dias na terra natal do poeta, nos Estados Unidos saíram os primeiros poemas de Parra em inglês e logo, em 1967, Ginsberg interviu na tradução da edição estadunidense de Poems and antipoems, publicada então pela New Directions. Só cinco anos depois que uma casa espanhola, a Seix Barral, publicaria Poemas y antipoemas.

Mas os Estados Unidos trouxeram sérios problemas a Parra: em meio a um festival de poesia na Biblioteca do Congresso, em Washington, o escritor visitou a Casa Branca e uma foto dele junto à primeira dama, Pat Nixon, apareceu na imprensa. Daí abriu-se o caos. “Eu relativizo tudo, até a revolução”, dizia então. Mas a foto enfureceu Fidel Castro que, imediatamente, desfez o convite para ser jurado do Prêmio Casa das Américas em Havana. Fora considerado instantaneamente um inimigo de Cuba.

O caso teve efeitos políticos para o antipoeta no Chile e entre toda intelectualidade do continente, que por esses anos estavam bastante ligados à revolução castrista. Se sua posição política afetou sua leitura no continente – Parra não foi um defensor da unidade popular – é menos claro, pois suas influências logo aparecem na poesia peruana, argentina e mexicana.

Quando, em 1991, foi entregue pela primeira vez o Prêmio Juan Rulfo, no México, foi ele quem recebeu. Ao receber o galardão, abriu outra linha de sua obra e inaugurou “Discursos de sobremesa”.

Depois da ditadura, período quando Nicanor Parra se reconciliou com a esquerda e estreitou relações acadêmicas e literárias com os Estados Unidos, sua obra começou a bater as portas do mundo. Mas só em 2001 que a Espanha acrescentou em definitivo o nome do poeta ao cânone: enquanto a Fundação Telefônica em Madri expunha seus objetos, ele recebia o Prêmio Reina Sofía. “Asseguro que foi complicadíssimo”, contou anos depois um dos jurados, Luis Alberto de Cuenca. Dois anos depois, Jorge Edwards integrou o júri do Prêmio Cervantes e propôs o nome de Parra: “Todos conheciam muito pouco a obra do poeta e então optaram por Gonzalo Rojas”, contou. “Nunca o leram. Nunca o entenderam”, disse Raúl Zurita.

A relação de Parra e a Espanha é esquiva. Quando em 2011 ganhou o Prêmio Cervantes, diferentes críticos enfatizaram o que chamava o problema da antipoesia na tradição hispânica: “Desde Quevedo, a poesia espanhola perdeu a comicidade e viveu vários séculos sob o a seriedade”, assegurou Niall Binns, estudioso e um dos editores das Obras completas & algo más editadas entre 2007 e 2011 em dois volumes.

A construção dessa obra completa, que teve organização também de Ignacio Echevarría, foi um longo parto; começou com as dúvidas do próprio Parra: em 1999, em sua casa de Las Cruces, Roberto Bolaño já havia lhe proposto a ideia, mas o autor só se convenceu em 2011. Poucos meses depois de publicar o segundo volume, o jurado do Cervantes falou a favor do antipoeta.

As resistências continuam: só em junho de 2017 foi publicado um livro de Nicanor Parra em francês. A editora Seuil apresentou Poèmes et antipoèmes. Anthologie 1937-2014 – um grosso volume de sete centenas de páginas, bilíngue, que percorre toda a obra do escritor chileno. “É preciso reconhecer que a obra de Parra é pouco ou nada conhecida na França, dizia o poeta Waldo Rojas em 2006; cinco anos depois, Felipe Tupper iniciou o projeto com Bernard Pautrat como tradutor de organizar a edição então publicada. A não figuração na França se repete em quase toda a Europa. E certamente na Suécia, onde se entrega o Nobel. Mas, se planta uma advertência: a revolução antipoética ainda não terminou de eclodir.


Ligações a esta post:
>>> Glória a Parra nas alturas

* Este texto é uma tradução de "Los estiras e aflojas de Parra con el mundo", texto editado no jornal El mundo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Sophia de Mello Breyner Andresen, “um tumulto de clarão e sombra”

Um tesouro chamado Yasunari Kawabata

Machos nus: Walt Whitman, José Martí e Thomas Eakins

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Manual de instruções para ler Lolita

Boletim Letras 360º #272

O fracasso de escrever

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Elena Ferrante, a leitora