Nicanor Parra, o último antipoeta (e o primeiro)

Por Javier Rodríguez Marcos



Todos os dias morre algum poeta. Os antipoetas, por sua vez, morrem uma vez a cada século. Ou a cada era geológica. A razão é única: poetas sempre existiram e existirão; antipoetas só houve um, Nicanor Parra. Assim, em contraste com o restante de seus pares, o poeta chileno é apresentado pelo mais importante de seus estudiosos: o professor Niall Binns. Depois de assistir há três anos seu próprio centenário e há um ano o de sua irmã, a cantora Violeta, Nicanor Parra, que nasceu em San Fabián de Alico em 1914 morreu em sua casa de La Reina, em Santiago do Chile. Havia se mudado para esta residência pouco antes de seu aniversário, em setembro, e depois de passar os últimos anos no povoado litorâneo de Las Cruces.

Ali permaneceu em abril de 2012 enquanto há 11 mil quilômetros de distância, em Alcalá de Henares, um de seus netos, Cristóbal Ugarte, recolhia em seu nome o Prêmio Cervantes. O avô, cuja idade não era mais indicada para uma viagem transatlântica havia pedido uma exceção para apresentar um discurso “medianamente plausível”. Aí, já estava com as mãos metidas na sua obra: sua mesa cheia de livros sobre o autor do Dom Quixote com as passagens importantes marcadas com envelopes de chá.

Naquela antissolene manhã de abril no paraninfo da universidade de Alcalá, misturada entre autoridades civis e militares, estava a cantora Patti Simith, que havia iniciado a devoção por Nicanor Parra desde quando o conheceu por através de Roberto Bolaño, já agora o escritor latino-americano mais importante das últimas décadas. “Escreve como se no dia seguinte fosse ser eletrocutado”, disse o autor de Os detetives selvagens sobre o velho compatriota. Mas, ser eletrocutado depois de eletrocutar o leitor: “Durante meio século / a poesia foi / o paraíso do bobo solene. / Até que veio eu / e me instalei com minha montanha russa. / Subam, se lhe apetece. / Claro que eu não digo nada se caem / esvaindo-se em sangue pela boca e nariz”, escreveu num poema de 1962, incluído em Versos de salón.

Anos antes, em 1954, havia publicado um livro em que misturou vários títulos – Material de lectura, Oxford 1950, Veinte años y un día – mas cuja denominação final marcaria o resto de sua obra: Poemas y antipoemas. Nele, como avisava o autor, não apareciam palavras como arco-íris, dor ou Torquato. Cadeiras e mesas, sim. Também havia prosa, humor, ironia, chistes, (bons e ruins), poesia que não queria ser poesia.

Depois da estreia em 1938 como poeta com Cancionero sin nombre de ares a Federico García Lorca, o Parra antipoeta era uma pedra seca de prosaísmo anglo-saxão em verboso firme afrancesado da poesia hispânica. Não em vão, entre 1949 e 1951 havia estudado Cosmologia em Oxford depois de se especializar em Mecânica Avançada na Universidade de Brown [Ver “As relações de Parra com o mundo”]

Licenciado em Física e Ciências Exatas, durante 30 anos foi professor de Física na escola de engenheiros da Universidade do Chile e em 1973, ano do golpe de Pinochet, entrou para o mítico Departamento de Estudos Humanidades da Faculdade de Matemática. Ali encontrou-se com o também poeta Enrique Lihn, com quem duas décadas antes, e com Alejandro Jodorowsky, havia fundado o periódico El quebrantahuesos. Este departamento logo se converteu durante a ditadura num reduto de pensamento livre. Livros como Sermones y prédicas del Cristo de Elqui (1977) ou Chistes para desorientar la policía / poesia (1983) foram a resposta a um tempo, o da dura ditadura, que Parra ignorou confundido sua voz com a de um suposto louco: Domingo Zárate Veja, chamado o Cristo de Elqui, um famoso pregador de rua dos anos trinta.

Cientista disfarçado de poeta, poeta disfarçado de louco, Nicanor Parra foi também um escritor disfarçado de artista plástico desde que em 1972 publicou Artefactos, uma inusitada coleção de poemas visuais que o levaram a aproximá-lo de autores como o escocês Hamilton Finlay, o belga Marcel Mariën ou o catalão Joan Brossa. Desde então, alternou a imagem e a escrita, que nos anos seguintes deu como frutos títulos como Hojas de Parra (1985) ou Discursos de sobremesa (1997), sempre recorrendo a uma ortografia que, com o particular uso de signos como &, x ou + (ao invés de e, por ou mais), anteviu as mensagens de texto dos celulares. E isso desde uma irredutível ideia da poesia: “Vida em palavras / Um enigma que se nega a ser decifrado x professores / Um pouco de verdade e uma aspirina / Antipoesia és tu”.

Ligações a esta post:

* Este texto é uma tradução de "Nicanor Parra, el último antipoeta (y el primero)", editado no jornal El País

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Sophia de Mello Breyner Andresen, “um tumulto de clarão e sombra”

Um tesouro chamado Yasunari Kawabata

Machos nus: Walt Whitman, José Martí e Thomas Eakins

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Manual de instruções para ler Lolita

Boletim Letras 360º #272

O fracasso de escrever

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Elena Ferrante, a leitora