Postagens

Mostrando postagens de Novembro 1, 2013

Crônica de um leitor de "O jogo da amarelinha" (6)

Imagem
Por Juan Cruz Ruíz Julio Cortázar. Foto de Antonio Gálvez. Para um leitor de O jogo da amarelinha encontrar-se com o autor supomos agora (e em qualquer tempo) é um acontecimento maior da vida. E me encontrei com ele em Amsterdã, durante a minha primeira viagem a Europa, acompanhado por um grande amigo meu, arquiteto e fotógrafo, Carlos A. Schwartz, que segue ainda exercendo hoje os dois ofícios. Era 1972 e embora vivêssemos como se a vida seguisse nos livros, nas Canárias esse livro, igual a Três tigres tristes , de Guillermo Cabrera Infante, havia causado um impacto muito especial. Havia amigos que sabiam capítulos de cor de ambos os romances, e não apenas o famoso capítulo 7 de O jogo da amarelinha . Os mais ousados dentre nós chamava Cortázar de Julito e Guillermito o Cabrera Infante, mas nunca soubemos deles mais o que sabíamos por seus livros. Mas era enorme a familiaridade. Nem Carlos nem eu conhecíamos Cabrera e de quem logo nos  tornamos muito amigos, igual serm