Postagens

Mostrando postagens de Setembro 16, 2020

Damas da lua, de Jokha Alharthi

Imagem
Por Joaquim Serra
Apesar do arcaico mundo ficando nas tradições, a escrita de Jokha Alharthi em Damas da lua é ágil e moderna. Os recortes das vidas são feitos através do registro coloquial de seus personagens, dos ditados populares que viram máximas sintetizadoras e regem comportamentos e pensamentos, do passado e do presente narrativo. Damas da lua intercala entre um narrador em terceira pessoa, este, através do indireto livre, mostra o que pensa as personagens, e a narrativa em primeira pessoa de Abdallah, marido de Mayya. Mayya é uma costureira destinada a se casar com o filho de um comerciante. Esse tal destino, que força a vida e os laços, é feito por um contrato entre seus pais. Mayya não ama o marido. Abdallah, o filho do comerciante, ama a mulher e se preocupa com os filhos. É dele a voz em primeira pessoa que recorda em fragmentos as longas barbas do pai, a demência do velho que, antes da morte com seu discurso e perdido no tempo, relembra e grita para o filho punir o escravo…