Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 24, 2020

O contista Jean-Paul Sartre

Imagem
Por Joaquim Serra Jean-Paul Sartre, Veneza, 1967. Jean-Paul Sartre acreditava que sua filosofia podia falar por meio de sua literatura. Nos contos de O muro (1939) isso fica evidente. Ao contrário da primeira versão de A náusea (1938) que mais parecia um tratado filosófico que um romance, uma boa dose de ação – em poucos espaços, isso é certo – não deixa de existir em alguns dos contos. Muito ainda no ritmo narrativo de A náusea (1938), Sartre prefere uma voz vinda dos motivos interiores do sujeito que olha para fora de si para tomar decisões e perceber – ou não – o acaso da vida, do que um narrador oitocentista, aquele que buscaria o apolínio ligado a um todo mais ou menos coeso. Em “O quarto”, dividido em duas partes, o narrador segue primeiro o pai que irá visitar a filha que mora com o marido que está louco. O narrador é contaminado por ele e por seus preconceitos e visão de mundo para, depois da visita frustrada do pai, permanecer com a filha Ève e penetrar no