O contista Jean-Paul Sartre


Por Joaquim Serra

Jean-Paul Sartre, Veneza, 1967.


Jean-Paul Sartre acreditava que sua filosofia podia falar por meio de sua literatura. Nos contos de O muro (1939) isso fica evidente. Ao contrário da primeira versão de A náusea (1938) que mais parecia um tratado filosófico que um romance, uma boa dose de ação – em poucos espaços, isso é certo – não deixa de existir em alguns dos contos. Muito ainda no ritmo narrativo de A náusea (1938), Sartre prefere uma voz vinda dos motivos interiores do sujeito que olha para fora de si para tomar decisões e perceber – ou não – o acaso da vida, do que um narrador oitocentista, aquele que buscaria o apolínio ligado a um todo mais ou menos coeso.

Em “O quarto”, dividido em duas partes, o narrador segue primeiro o pai que irá visitar a filha que mora com o marido que está louco. O narrador é contaminado por ele e por seus preconceitos e visão de mundo para, depois da visita frustrada do pai, permanecer com a filha Ève e penetrar no ambiente que ela vive todos os dias. O conto certamente discute assuntos atemporais como loucura e sanidade, solidão, vida e interesse social, e também quem detém a palavra sobre o louco já que tudo se revela pelo olhar de alguém e, ao contrário de um Benjy Compson de O som e a fúria ou de um Patrick Bateman de O psicopata americano, a palavra jamais é emprestada a ele.

Já o narrador de “Erostrato” é um homem frustrado sexualmente – “nunca tive relações íntimas com uma mulher; me sentiria roubado” (p. 64) – que resolve comprar uma arma para acertar as contas com os maus tratos e abusos da vida em sociedade. Curiosamente, o objetivo do narrador é não somente obter o respeito dos outros, mas se elevar sobre eles de alguma forma, por isso a prática recorrente de ver as pessoas do alto de um prédio que, lá de baixo, são como formigas. O sexo, para ele, seria também uma forma de submissão a um prazer maior que o seu, por isso, adapta à sua maneira o modo de se satisfazer com prostitutas que deveriam ser subjugadas e, para que Paul sentisse prazer, elas não poderiam sentir.



Paul pensa e age somente na imaginação porque não tem oportunidade para revelar quem realmente é. Por isso a facilidade de comprar uma arma e viver como todo mundo, e fingir, no meio deles, que jamais poderia fazer o que acaba por fazer, pensa ele: “Sabia que eles eram meus inimigos, mas eles não o sabiam. Amavam-se uns aos outros, ajudavam-se; e me teriam ajudado, ocasionalmente, porque acreditavam que eu era semelhante a eles. Mas se pudessem adivinhar a mais ínfima parcela da verdade teriam me abatido” (p. 63).

A arma tona-se sua companheira e Paul acaba por não sair mais sem ela. Isso incita sua cabeça que começa a ir longe ao imaginar como cada corpo reagiria com um tiro. O ódio por todos e os meios para eliminar seus problemas – “a gente se sente forte quando carrega constantemente consigo uma dessas coisas que podem explodir e fazer barulho” (p. 63) – levam Paul para a solução; matar e depois cometer suicídio. E o símbolo acaba por tomar conta de sua vontade: “eu era um ser da espécie dos revólveres, dos petardos e das bombas. Eu também, um dia, no fim de minha vida obscura, explodiria e iluminaria o mundo com uma chama violenta e fugaz” (p. 70).

Mas os planos de assassínio e suicídio não ocorrem como ele queria – os dados estão lançados, como lembra o título de uma das peças de Sartre – e o autor se aproveita das técnicas do gênero que admirava por nunca deixar pontas soltas, o gênero policial, para também falar das imprevisibilidades. Do seu modo, Sartre entrelaça esse gênero à sua filosofia do contingente, do existencial através do astuto e cerebral Paul para quem não seria impossível transferir a célebre frase de “Entre quatro paredes”: O inferno são os outros.

Como diz o provérbio: no fim do jogo, peões e reis voltam para a mesma. O altivo Paul esbarra na imprevisibilidade da vida e algo com o que ele não contava acontece. No recente filme do vilão Coringa (2019) contém uma cena parecida. Perto da cena mais dramática da trama, quando o vilão está no camarim do programa de auditório e parece ensaiar um suicídio que na realidade não acontece, estaríamos ali diante de uma cena sartreana que não prepara o sujeito para a realidade dos fatos, para a contingência. É assim que depois pôr em prática seu plano, Paul tem que readaptá-lo porque agora ele existe.

Paul parece ter a mesma atração para a morte do também trágico Berdamu de Viagem ao fim da noite. Ferdinand Berdamu subestima a guerra antes de se perder na solidão das estradas escuras em busca de comida e abrigo, antes de se ferir e voltar a uma cidade devastada e se desiludir com os homens, com o amor e consigo. Mas a intenção de Sartre não é construir um painel de ruptura em que o sujeito e o espaço se eliminam mutuamente, mas descrever as micro-histórias do cotidiano, do desajuste social, daquele que não se sente parte do todo e percebe isso de alguma maneira através da sua voz ou de um narrador tão íntimo que as contradições das verdades humanas saltam sem muita pesquisa.

Resolvi comentar aqui apenas o conto “Erostrato”, mas há também presentes no livro não só o conto que dá título à obra, como a brilhante novela “Intimidade”, que não deixa de marcar já no modo de narrar, no foco narrativo, uma tensão complexa que se instaura desde as primeiras linhas. Na novela, penetramos – ou tentamos penetrar – nos pensamentos e fantasias da jovem Lulu através do estilo indireto livre (aquele que confunde a voz do narrador com a do personagem). No entanto, Lulu não se contenta apenas em contar sobre sua vida sexual e cotidiana, seus amores e decepções, ela quer sua voz narrativa também, daí instaura-se uma tensão nítida na narrativa sartreana que, certamente influenciado pelas ideias de sua companheira Simone de Beauvoir, mostra uma voz feminina presa para tratar de assuntos íntimos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A tradição da peste na literatura. Treze obras literárias

Aquela água toda, de João Anzanello Carrascoza

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Quinze mulheres da literatura brasileira

Boletim Letras 360º #366

As palavras interditas, de Eugénio de Andrade

Joker