Postagens

Mostrando postagens de Outubro 21, 2020

O novo cânone literário afro-americano

Imagem
Por Josep Massot Jacob Lawrence. The Library . 1960. Ralph Ellison, o autor de Homem invisível , dizia, numa das cartas publicadas em dezembro pela Random House, que sonhava em confrontar sua literatura com a dos maiores escritores, “descobrir quem e o que eu sou, o que é a vida e o que é a arte”. Teria gostado de “escrever simplesmente como estadunidense ou, melhor ainda, como cidadão do mundo, mas isso é impossível agora porque estaria flutuando no ar das abstrações, enquanto o único fogo que ilumina essas abstrações nasce precisamente por ser negro e em toda a ‘experiência sentida’ que implica ser negro americano”. E se podia fazer em dez tons, por que fazê-lo em apenas cinco, defendeu-se com um símile musical diante de seu amigo Richard Wright ( Native Son ), fugindo do clichê do preto assumido pelo branco bem-pensante.   Esse mesmo compromisso ético com a excelência literária e com a comunidade seria assumido por James Baldwin, Maya Angelou, Terry McMillan e Toni Morrison, entre o