Três notas introdutórias sobre "Os sertões", Euclides da Cunha

ilustração: Andrés Sandoval (detalhe)


Livro posto entre a literatura e a sociologia naturalista, Os sertões assinalam um fim e um começo: o fim do imperialismo literário, o começo da análise cientifica aplicada aos aspectos mais importantes da sociedade brasileira (no caso, as contradições contidas na diferença de cultura entre as regiões litorâneas e o interior).

Antonio Candido, Literatura e sociedade


1. O crítico Antonio Candido define com essas palavras a importância d’Os sertões no panorama literário e cultural brasileiro. Obra publicada em 1902 e tida pela crítica como marco do pré-modernismo. A obra está dividida em três partes, "A terra", "O homem", e "A luta". Dado o conteúdo e a forma como que o romance se apresenta sua monumentalidade se constitui sob vários aspectos, e um dos, é fato de, ao ser assim composta, não ajustar-se a nenhuma categoria das criadas pela crítica; e, sequer ser possível ser acomodada facilmente ao que se tem convencionado como literatura. O livro de Euclides está entre a Geografia, a História, a Sociologia, compreendendo propositalmente uma pluralidade de áreas do saber. Se isso não serve aos vínculos pré-estabelecidos, serve para localizá-lo entre as grandes obras literárias. Pensem tal como Barthes em Aula - a literatura como convergência de todos os campos do saber. Por essa natureza, é leitura indispensável para se pensar as próprias bases que constituem o país.

2. É possível se dizer apenas que é um romance dotado, em parte, de uma clara visão determinista acerca do homem; este é apresentado como produto do meio onde vive. Retirado do meio, o homem é incapaz de competir com ele próprio. Em Euclides, porém, esse determinismo ganha fortes contornos regionalistas. A descrição sobre o homem do Nordeste inaugura um tipo desconhecido aos do Centro-Sul do país e essa obra antecipa, em cerca de três décadas, aquela que será a linha mestra da prosa de ficção da segunda fase do Modernismo, o romance regionalista. 

3. Os sertões, longe de querer classificar o texto euclidiano, é um documentário do que foi o reduto de Canudos. A versão oficial foi que aquele lugar agregou uma massa de revoltosos que ameaçavam a estabilidade do Estado é corrompida pela obra. Não este o caráter mais nobre da literatura? Romper com verdades estabelecidas? Enviado ao lugar para testemunhar a visão verdadeira, Euclides pode contemplar outra possibilidade da história e oferecer-nos outro retrato. Escreveu um livro sobre o nascimento de um povo, e de denúncia do sobrepujamento do poder sobre os da margem. Os sertões é, por baixo de seu tecido narrativo, a história do desinteresse e do descaso que foi sempre a alavanca dos governos e do País em relação aos pobres.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Os melhores de 2018: poesia

Joker

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath